quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Devocional 13 - Espírito Santo é quem nos capacita


“Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus. Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus.” I Coríntios 2:10

Inicialmente é importante não confundirmos a idéia do Espírito Santo com um valor alternativo ou mesmo inferior a Deus. É essencial entendermos que o Espírito Santo é Deus e não podemos negar o culto que lhe é devido. E se o Espírito Santo sempre se fez presente justamente por ser Deus que é Onipresente, Ele já estava antes da Criação de todas as coisas, na formação da humanidade e durante a história humana. Porém, pelo rogar de Jesus ao pai sugere a idéia de que na Nova Aliança o próprio Espírito de Cristo veio amparar os homens no legado de Cristo. Legado que sugere a idéia de continuidade da herança, afinal o Espírito Santo é o Espírito de Cristo. (Rm 8:9)

Então começamos a entender que O Espírito Santo é um dos membros da divindade. Alguns chamam de terceira pessoa da Trindade, mas eu prefiro membro para não sugerir indiretamente uma posição inferior. Entendendo isso, podemos biblicamente enumerar a importância do Espírito Santo como Consolador e Ajudador (Jo 14:26), Promessa do Pai (Lc 24:49), Quem nos capacita para sermos a Nova Criação (Lc 1:35), Aquele que gera o fruto para implantar o caráter de Cristo em nós (Gl 5:22) ou mesmo Quem nos faz viver em Unidade (Ef 4). Afinal, todas estas características têm aplicações bíblicas, entretanto a que precisamos destacar para exemplificar o tipo de espiritualidade da Igreja para as pessoas entenderem quem é Jesus, está em (Atos 1:8). Ou seja, o Espírito Santo nos torna TESTEMUNHAS de CRISTO.

Vamos ler duas passagens
  • Lucas 24:49 E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder.
  • Atos 1:8 Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra.

Nas duas passagens sugere um revestimento de poder, chamado pelo mesmo autor dos dois livros, Lucas, de virtude do Espírito Santo para tornar os discípulos testemunhas. Os discípulos já eram testemunhas das coisas que Cristo falou e viveu, entretanto, para continuidade do legado de Cristo, quando Jesus fosse ao céu, como os crentes convertidos podem testemunhar que Ele é real? A pergunta que posso sugerir para reflexão é como testemunhar algo que não vemos? Na lógica da justiça humana, sem estar presente ou ter total ciência de um fato ao ponto de comprová-lo, não podemos testemunhar. Testemunho é uma comprovação (prova) acerca de algo que alguém presencia de outra pessoa ou de um fato. No cristianismo, testemunho é essencial para certificar como verdadeiro tanto os relatos como a existência de Cristo. O que os versículos e toda história que envolve relatos, fatos e coerência nos diz é que a única forma de testemunharmos a Cristo de forma direta é através do Espírito de Cristo, ou seja, O Espírito Santo. O poder do Espírito Santo em nós traz o Reino de Deus em fatos.

Vamos citar a passagem de Jo 42:5 "Com o ouvir dos meus ouvidos ouvi, mas agora te vêem os meus olhos." Eu percebo que é possível sermos testemunhas de ouvir falar, de forma indireta. Vemos a transformação na vida de pessoas, gente que se entrega a Cristo por crer no que viu na vida de terceiros. Mas só existe uma forma de testemunhar diretamente, através do Espírito Santo. E isto é fundamental. A leitura de Lucas e Atos na seqüência concedem a nós a exata impressão de que O Espírito Santo é o único meio de sermos testemunhas de Cristo de forma direta.

Também no livro de atos, os textos descrevem a ação do Espírito Santo dirigindo os Apóstolos para propagação do Evangelho. Certos pregadores fazem alusão de que o Livro de Atos dos Apóstolos deveriam chamar Atos do Espírito Santo.

No livro, a manifestação do Espírito começa no dia de Pentecostes e se torna um marco para Igreja Primitiva. Ali se completa a profecia de Joel e a promessa de Deus sobre o Espírito Santo. E o texto de Atos 2 onde descreve o batismo do Espírito Santo, também relata o modo que todos unanimemente se comportavam na Igreja Primitiva. E por ter um resultado tão expressivo, todos são unânimes em entender que a Igreja de Atos se tornou uma Igreja referencia. Porém, quero ressaltar que o grande destaque no livro de Lucas é que o resultado de uma Igreja que só crescia, e que perseverava na doutrina dos apóstolos, na comunhão, no partir do pão e nas orações, era uma ação do Espírito Santo. Este acontecimento histórico que os elevou por acima do mundo é obra do Espírito Santo que os encheu com tal amor que fez que cada um fosse para outro como para si mesmo. Ou seja, Apenas se enchermos do Espírito Santo viveremos a possibilidade de uma Igreja tão Gloriosa com um corpo tão interdependente.

Assim funciona com tudo que existe a respeito de Cristo e que devemos imitar. Já disse em outros textos que o Papel do Espírito Santo é nos capacitar para ser igual a Cristo, ou seja, uma nova Criação. E isto inclui amar como Ele amou. A própria Bíblia relata que o primeiro atributo do Fruto do Espírito é o amor. Amar do jeito de Deus só é possível se estivermos cheio do Espírito Santo. Ou seja, O Espírito Santo é essencial para capacitar os homens a viverem o propósito eterno de Deus. (Rm 8:9, 29). Resgatar o plano de sermos a imagem e semelhança, tendo Jesus como medida e estatura do varão perfeito. (Ef 4:13).

Como nos encher do Espírito Santo?

Existem inúmeras citações que falam da ação do Espírito Santo no meio da sua igreja, conduzindo aos seus a uma vida que desfruta ação do Reino de Deus, ainda que não seja em plenitude. A igreja primitiva ainda que muitos a consideravam infantil, achando que a salvação era apenas dada aos judeus, os integrantes da Igreja experimentaram os acontecimentos que evidenciavam a vida de Deus presente nos primeiros cristãos de uma forma que nenhuma outra vez encontrou na história. Mas como eles foram cheios?

Vamos resumir o contexto antes do Pentecostes.  Atos 1:8-14, Atos 2:1

  1. Todos criam em Jesus como Filho de Deus. 
  2. Jesus orientou os discípulos ficarem em Jerusalém. Eles obedeceram. Ou seja, obediência é um fator para ser cheio do Espírito Santo. 
  3. Todos estavam unanimemente em oração e súplicas e
  4. Em concordância no mesmo lugar

O primeiro versículo de Atos 2 que começa indicando o que estava ocorrendo com os discípulos. "E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos concordemente no mesmo lugar;" Sugere a idéia de concordância. Eles estavam juntos em um mesmo lugar em concordância, e pelo contexto, unânimes em oração. Ou seja, além do fato de ser promessa do Pai, o revestimento da virtude do Espírito sobre a Igreja vem da unanimidade e concordância no Senhor. Se houvesse naquele momento discórdias, com certeza impediria ação. Acredito que se quiser que o Espírito Santo seja derramado sobre nós desde o alto, tenhamos estas características.

Ultimas informações

Que Senhor possa nos conduzir a obediência de tudo que Ele nos tem ordenado e em sua medida, transformando o nosso interior para que o nosso ser esteja preparado para receber o Santo Espírito de Deus.

Este texto é uma tentativa de indicar o caminho para a busca do Espírito Santo como essencial para Igreja ser Igreja e testemunhar a Cristo. O entendimento da importância disso, assim como tudo que se refere a Deus é uma revelação. A forma comum entre os discípulos nos ensina que se andarmos juntos, em concordância, buscando o Espírito Santo em comunhão, com certeza nesta sincronia será onde o Senhor ordena a benção (SL 133).

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Devocional 11 - Revelação Divina.


Revelação Divina é uma das verdades essenciais para os cristãos. A Bíblia ensina e pela própria experiência percebemos que Deus se revelou a nós e não nossa capacidade que conseguiu descobri-lo. E por isso pode se entender que revelar é como “tirar o véu” dos os olhos do nosso coração. O próprio Paulo sugeriu este entendimento em 2 Coríntios 3:15. "E até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles Mas, quando se converterem ao Senhor, então o véu se tirará."

Paulo atribuiu a ação do tirar o véu ao ato de converter. O próprio significado de conversão sugere a idéia de sair de um estado e ir para outro. E se a conversão é ao Senhor, significa que para se converter a Ele são pelos meios Dele. O próprio Jesus disse isto na passagem de Marcos 10:27: “Para os homens é impossível, mas não para Deus, porque para Deus todas as coisas são possíveis.” É um ato que a própria humanidade não consegue alcançar sem que haja uma ação sobrenatural. Ou seja, nos é concedida a famosa ajuda do alto. Considere a mesma como o ato de Deus se mostrar a nós.

Não por menos, este é o ato inicial do conhecer da Verdade para ser liberto (João 8:32). A revelação plena se dá em Jesus como homem e em Jesus como Cristo, o Filho de Deus. O livro de Hebreus diz que no passado Deus falou de muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, agora Ele falou pelo Filho. (Hebreus 1.1,2) Jesus em certa ocasião disse: "Quem vê a mim, vê ao Pai" A passagem sugere que Ele é a exata expressão do Pai. Numa análise simples, todas estas citações são indicativas para nos pronunciar que o meio para converter é através de Jesus.

Outra forma de entender sobre revelação foi quando o próprio Filho de Deus a citou. Jesus quando esteve entre os homens, ele foi seguido por muitas pessoas. E mesmo fazendo milagres, sinais e maravilhas, a maioria das pessoas que o seguia, com a exceção dos discípulos, não conseguia compreender quem Ele era. Certa vez Ele chegou a perguntar aos seus discípulos quem o povo dizia que Ele era. Esta história está registrada em Matheus 16:13-19. A resposta da multidão era de que Ele era profeta. Eu penso que esta era uma resposta que Ele sabia, porém a idéia é provocar nos discípulos o ensinamento certo de que conhecê-lo de verdade é uma revelação. Ou seja, os homens podem até ver Jesus, milagres e todos os tipos de acontecimentos sobrenaturais, mas se não tiver uma revelação, nunca vamos compreender.

Serve para todos. A compreensão das coisas só é possível pela ajuda do alto.  Nossa compreensão, entendimento, visualização das coisas são limitadas. Não teríamos feito melhor do que a própria a multidão se fossemos argüidos sobre Quem é Jesus. A multidão esperava profecias de Cristo, esperava os milagres, mas não se perguntava e nem se interessava na fonte daquilo tudo. Muitas vezes somos assim, desperdiçamos o nosso tempo com tantas outras coisas e não temos o interesse de tentar conhecer a essência de tudo.

A reflexão que fica é que enquanto não entendermos a nossa posição como homens diante de Deus não vamos nunca entender quem Ele é. Somos soberbos, presunçosos e egoístas. Fazemos a nossa própria vontade e querendo nós ou não, nossa vontade é o "senhor" que se opõe ao Verdadeiro Senhor. Leia Mateus 6:24

Ansiamos por tantas coisas que são objetos da criação, coisas materiais, que impede de focarmos o alvo certo. Esquecemos do Criador. Não sabemos a construção racional de muitas coisas que são mistérios e temos a pretensão de não aceitar quando o argumento racional mais coerente é também o mais simples, a fé.

A revelação divina é a ajuda do alto através do Espírito Santo. É mais uma das incontáveis demonstrações de graça que Deus nos dá. É uma auto-manifestação de Deus e não uma descoberta humana. Por isso, na lembrança de que Jesus mesmo sendo Deus não teve por usurpação a ser igual a Deus, antes se humilhou para vir e ser o sacrifício vivo em favor da redenção dos homens, também siga o seu exemplo de humildade e voluntariamente vamos propor a coisa certa em reconhecer que precisamos da ajuda do alto para compreender a própria vida.

Em Jesus