sábado, 7 de abril de 2012

Devocional 8 - Relacionamento.



Você sabe qual é o primeiro problema encontrado na Bíblia? Em Genesis 2:18 diz "E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele."  Esta afirmação mostra que a solidão é o primeiro problema encontrado nas Escrituras Sagradas. Permite pensarmos que a solução para este problema é o relacionamento. Deus viu um problema e resolveu com uma companheira, alguém da mesma "espécie". 

Dentro do contexto, podemos pensar que a solidão é o oposto do relacionamento. Existe uma tradução bíblica que fornece a seguinte versão: "far-lhe-ei uma auxiliadora frente a ele". Nesta tradução, podemos ilustrar que só existe relacionamento, se minimamente existir duas pessoas estabelecendo algum tipo de comunicação que as fazem ter valores comuns e que as mesmas preencham a expectativa uma da outra. Ou seja, só ha relacionamento se existe a ausência da solidão. O "frente a ele" sugere nivelamento da condição de ambos.

A igualdade de condição é diferente da condição de igualdade. A condição de igualdade todos nos seres humanos temos. Somos iguais, porém diferentes. Agora a igualdade de condição é o que estamos observando no texto. Pode parecer que igualdade de condição entre seres da mesma espécie é quase uma redundância, mas não é. Condição é o estado em que alguém se encontra. Existem pessoas mais maduras, outras menos. Suas condições são diferentes e estas diferenças precisam ser avaliadas.


Biblicamente, vejo como requisito para o relacionamento tanto a condição de igualdade e igualdade de condição. Entendemos que pessoas podem encontrar em estágios diferentes e isto impede as mesmas de relacionarem neste estágio de casamento. Se aprofundarmos na ótica bíblia veremos que é um parâmetro que vem de ação essencial provocado pelo Evangelho de Jesus. 

Quero acrescentar que apesar de sermos semelhantes, não quer dizer que gozamos de igualdade de condição. Para ter igualdade de condição são necessários valores e situações comuns aos que se relacionam. Observe que o texto de Genesis é antes da queda humana e isso sugere que não havia nenhuma obstrução para que semelhantes tivessem valores comuns e se relacionassem.

Posso sugerir como igualdade de condição aqueles valores comuns entre os dois que são maiores que as diferença entre eles. Em relação ao relacionamento entre homem e mulher, além da igualdade de condição, também existe outra situação - "auxiliadora". Este é um indicativo de que não basta apenas ter valores comuns, mas precisa ter empenho para relacionar. Esforço em cooperação para com o outro. Troca de complementos no sentido de se completar. Ajudadora neste contexto é natural da mulher, e isto significa auxiliadora que conheça naturalmente seus negócios. Quem auxilia, faz alguma coisa no sentido de ajudar, de cooperar. 

Então, quando faz referência a auxiliadora, o texto está dizendo sobre alguem que fará naturalmente o outro crescer. Que será sua confiança para lhe ajudar alcançar os objetivos. Acrescenta-se também que o sentido não significa inferioridade. Quando se refere a "auxiliadora que fara frente a ele", está dizendo que será alguém preparada para sua capacidade.

Após pecado

E depois do pecado, o que seria igualdade de condição? Na verdade não muda o fato. Seria o mesmo plano que era antes, porém agora existe uma obstrução que se chama pecado e que fazem semelhantes não serem tão semelhantes assim. 

O texto de Genesis sobre a criação da humanidade é muito curto e de certa forma simples, por isso é necessário a luz da própria Escritura em textos posteriores o entendimento dos valores do relacionamento. De qualquer forma, com texto podemos resumir:
  • Relacionamento como solução para solidão. Isto pode ser entre homem e mulher, entre amigos, entre irmãos. Existem diferenças na aplicação de um tipo de relacionamento para os outros.
  • Relacionamento só existe com pessoas da mesma espécie (condição de igualdade) e que tenham uma igualdade de condição. Igualdade de condição é o estado em que alguém se encontra. Julgo no contexto de textos posteriores, porque os mesmo vêm como resposta após o pecado, que igualdade de condição pode ser entendida como estado que abrange valores e princípios.
  • Só existe igualdade de condição após pecado se as diferenças entre si forem menores que os pontos essenciais em comum.
  • Existe também a troca de complementos, o empenho para relação. Uma das barreiras do pecado foi estabelecer desvios no relacionamento tirando a igualdade de condição entre semelhantes, porém a restauração proposta por Cristo transforma os valores essenciais permitindo a pessoas que em seu contexto geral são diferentes, a capacidade de relacionar e cooperar uns com os outros.
Medição de relacionamentos cristãos

Ao fragmentar nos pontos acima, pode sugerir uma "medição" de um relacionamento da seguinte maneira:
  1. No contexto cristão, só existe relacionamento quando não existir solidão. A pessoa precisa estar amparada. Salvo as exceções de carências emocionais que vem de distúrbios para este fator, o relacionamento criado por Deus tem que ter amparo e ausência de solidão.
  2. Também tem que existir uma igualdade de investimento de vida na relação que minimamente preencha a outra pessoa com quem se relaciona. Apenas assim se torna a solução de Deus para a solidão humana.
Relacionamento está pra solidão assim como a luz está pra trevas. Um anula o outro. Pra existir solidão é necessária carência do relacionar, deficiência em comungar. Se existe solidão, significa que todo congraçamento humano que a pessoa tem não preenche, por isso é desnivelado.

Níveis de relacionamento.

Pelo contexto bíblico, dá para pressupor que todos os relacionamentos antes da queda teriam o mesmo nível. Após pecado, com diferentes implicações, hoje temos diferentes tipos de relacionamentos que são classificados de várias formas. Relacionamentos cordiais, profissionais, amorosos, matrimoniais, etc. E o mais importante a ser frisado é que todos estes tipos de relacionamentos são aspectos de uma normalidade humana e são importantes quando são ordenados de forma correta.

Quando explico sobre igualdade de condição e detalho dizendo acerca de pontos essenciais comuns, estou apontando que pessoas podem ter valores essenciais diferentes e quando for este caso o termo aplicado pela bíblia é jugo de desigual. Observe também que não estou dizendo apenas a respeito de relacionamento matrimonial, mas todo e qualquer relacionamento, em qualquer contexto, depende de ter valores em comuns essenciais maiores do que as diferenças.

Observe que no trabalho, os relacionamentos existentes no ambiente serão no campo profissional. A pessoa que trabalha terá que cumprir a cartilha profissional de acordo com a sua função. Qualquer deficiência nisso pode ocorrer demissão. No caso do casamento, posso dizer que será o investimento de vida de ambos na relação. O casal precisa preencher a expectativa do outro no nível essencial que importa pra ambos. Ou seja, a variável é o contexto que está inserido e o tipo de relacionamento que se tem com outro. Porém, no cristianismo, qualquer relacionamento será afetado por Cristo. Apenas porque Cristo é o valor essencial no coração de alguém. A Bíblia já ensina isso quando diz que não podemos servir a dois senhores. Deste ponto em diante, a variável não mais será o contexto inserido ou o tipo de relacionamento que se tem com outro, mas Cristo independente da situação.

Matheus 10:34-37 Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada; Porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; E assim os inimigos do homem serão os seus familiares. Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim.

Nota: Não estou afirmando que a pessoa precisa se desfazer de todo relacionamento adquirido e não é isto que trata o texto de Matheus, estou dizendo é que se necessário for o peso decisivo tem que ser o que "Cristo fez diante da situação" e isto é para qualquer tipo de relacionamento que a pessoa tiver.

Jugo desigual

Em 2Co 6:14 “não vos prendais ao jugo desigual com os incrédulos”

De um modo geral, relacionamento é difícil por causa de nossas diferenças. Porém acentuam-se mais quando pessoas têm valores essenciais diferentes uma das outras. O exemplo é o próprio cristão. Existe um credo por traz do ser cristão. Crer em Jesus é uma ação maior do que crer em si mesmo. Esta compreensão é uma revelação que nasce pela fé em Jesus. Ou seja, ter fé é enxergar essa realidade não visível ao olhos "carnais" de que Jesus e todo conteúdo de sua pregação é real. 


Quando não há este elemento fundamental de unidade, entendendo que os cristãos vivem sob a direção do Espírito Santo que é a unidade da Fé, acredito ser impossível relacionamento com os não cristãos. Por isso, o termo jugo desigual se aplica. É jugo desigual porque os valores fundamentais para o relacionamento não estão nivelados. Isso pode ocorrer até mesmo entre os cristãos, mas principalmente entre cristãos e não cristãos. Só que geralmente, aqueles que são cristãos no sentido pleno da palavra, têm valores fundamentais diferentes em relação ao incrédulo, dos quais se inclui os fundamentos para o casamento. Então, por conselho bíblico e não meu, qualquer comunhão de valores entre cristãos e não cristãos, e isto inclui o comprometimento matrimonial , o mesmo não é ideal aos cristãos. É jugo desigual.

Jugo desigual em relação a amizade

Salmos 1:1 "Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores." 

O versículo abrange situações diferentes para o relacionamento. "nem se assenta na roda dos escarnecedores." Está dizendo: "Mais que feliz é aquele que não comunga de valores comuns com os incrédulos." Ao fazer referência a valores, estou dizendo que esta no cerne do ser, no coração. Prioridade da vida. Ouvi um pregador dizer que existe um lugar mais honrado do que o primeiro lugar em nossas vidas, este lugar é centro do seu coração onde Cristo é quem escolhe o primeiro lugar das nossas vidas. O pregador ensinou que toda a fundamentação parte da vida de Deus através de Cristo em nosso ser. Ou seja, o nosso ser é ordenado por Cristo e em volta Dele. Diante do que Ele disse, poderíamos sugerir um entendimento para o versículo da seguinte maneira. "Mais que feliz é o homem que não anda no conselho daqueles que não conhecem a Deus, mas que andam no conselho daquele que é o maravilhoso conselheiro, o Filho de Deus." Ou "Mais que feliz é aquele que não "estaciona" no caminho dos pecadores, mas anda nas veredas da justiça entendendo que Jesus é o único caminho para Deus." Ou mesmo "Mais que feliz é que aquele que não celebra ou congraça ou comunga de valores com aquele que escarnece de Deus por suas atitudes, mas que anda e celebra a unidade da fé com seus irmãos que tem O mesmo valor em seus corações.

Nota: Neste trecho, além de outros citados e da reflexão realizada são para ilustrar a importância de se relacionar com critério das Escrituras Sagradas.

Engano nos dias atuais

Existe um tipo de engano que foi produzido aos poucos para tentar justificar algumas ações. Virou um falso pensamento e por isso um falso fundamento. Muitos falam: "Jesus andava no meio de prostitutas, ladrões e todo tipo de gente marginalizada na época." Falam como se Jesus fosse indiretamente participante da vida destas pessoas. Defendem a idéia com argumento de Paulo "fiz-me de sábio para ganhar os sábios e de tolo para ganhar os tolos". Usam este argumento sobre um ponto de vista de que estão pregando o Evangelho para todos, quando na verdade estão pregando o evangelho do "jeito" deles. De uma forma distorcida. Pois, ninguém prega no meio de incrédulos sendo participante de coisas erradas. Se tiver prazer em "fingir" de "tolos" tem algo errado. Entenda que muitos estão com este discurso, mas no íntimo do ser estão se realizando em ser tolos de um modo que não combina com Evangelho.

Também vejo neste discurso que indiretamente estão mudando o conteúdo da mensagem do Evangelho a fim de obter conversões com mais facilidade. E ao lembrar a instrução de Paulo, recordo que ele em nenhum momento fez isso. Muito menos Cristo. Ambos pregavam o Evangelho porque mensagem do Evangelho é pra todos, porém com a condição dos necessitados se arrependerem. E aceitação do discurso é mais aceita entre pessoas marginalizadas. Aplicavam persuasão e iam até as pessoas a fim de única e exclusivamente apresentarem o evangelho Cristocentrico. Jesus não andava no meio de prostitutas, ladrões, e outros marginalizados da sociedade, mas andava no meio dos discípulos. Ele relacionava no nível mais pessoal com os discípulos. Este era o relacionamento Dele. Agora, Ele mesmo disse que pregava o evangelho para doentes. A sua mensagem tinha o teor para todos, mas aqueles que eram mais receptivos, Ele focava mais. Jesus não comungou dos mesmos valores com os homem de um modo geral, incluindo marginalizados ou não. Ele se movia de amor, compaixão. A missão Dele era e é ganhá-los, mas nunca precisou fingir de prostituta pra ganhar a prostituta ou de ladrão pra ganhar o ladrão ou de rico para ganhar o rico. Jesus não fingia roubar e nem se prostituir ou qualquer outra coisa. Senão o discurso de Jesus não seria "Arrependei-vos. Fingir de tolo é ouvir o tolo, suas expressões, mas não ser como ele. Pelo contrário, seria convidar ao tolo a deixar de ser tolo. Paulo nunca foi tolo em sua vida e nem usou de fingimento para atingir seus fins. A sua sugestão era ouvi-los, entende-los, ganhar a confiança e pregar o evangelho para eles.

Conclusão

Talvez este seja um dos textos mais difíceis de argumentar porque existem muitos detalhes que poderiam ser abordados. Relacionamentos cada um têm o seu e se envolver nisso pode quebrar barreiras emocionais. O que é fácil diagnosticar é que alguns relacionamentos são saudáveis e outros não. E "mexer" nisto precisa ser realizado de forma muito clara e convicta do porquê esta sendo feito. O que quero frisar é que para qualquer relacionamento para nós cristãos, julgo estar escrevendo para irmãos de fé, existe o valor essencial que vai influenciar a forma como nos relacionamos em todas as esferas da vida. Sem dúvida que a resposta é Cristo Jesus. Estar diante desta realidade é aceitar a obrigação de estar próximo de todos sem ser participantes de seus escárnios.

Creio também que por toda instrução existente na escritura, pelo revestimento que a mesma nos dá em Isaías 61 e Efésios 5, pela obrigação cristã que existe no "Ide" e no "fazer Discípulos", sobre todo poder dado a Jesus que valida o cristão como igreja com a chave do "reino dos céus", é que devemos nos posicionar como influenciadores ao invés de ser influenciados. Devemos ser o agente da ação e sermos influenciadores.  A própria bíbliz diz: "Se o sal não salgar, para nada presta"

Também quero dizer que antes da queda, pela posição desta passagem de Genesis, a intenção de Deus é propor o relacionamento como base inicial para tudo. Podemos definir facilmente e dizer que não se constitui casamento sem relacionamento, não se constitui família sem relacionamento e não se faz amigos sem relacionamento. Até para aqueles que defendem o celibato, quero lembrá-los que Jesus e Paulo relacionavam com pessoas o tempo inteiro.

A Igreja Cristã é o lugar de "estreitamento" dos relacionamentos, onde aprendemos que nossas diferenças não são maiores do que Aquele que nos mantêm unidos, o nosso Senhor JESUS CRISTO é a nossa aliança. A estrutura básica do relacionamento que Deus estabeleceu com seu povo é a aliança. Uma aliança entre o Todo Poderoso Deus que sustenta a aliança e nós que precisamos cumprir as condições da aliança. Por isso, procure sempre relacionamentos saudáveis, pessoas que vão a acrescentar sua vida, relações de intimidade onde você poderá aprender a superar suas deficiências e ser útil na vida de outras pessoas. Relacionamento é fundamental para nós cristãos, pois relacionamento é um dos pontos que nos define como seres a imagem e semelhança de Deus.

Deus abençoe

Nenhum comentário: