terça-feira, 24 de abril de 2012

Devocional 5 - Que peso tem os erros para você?

“No essencial, unidade; no não essencial, flexibilidade; em todas as coisas, o amor.” John Stott.

Não sei se todos observam isto, mas na vida os erros marcam mais que os acertos de um modo geral. Podemos acertar inúmeras vezes, mas se erramos uma única vez parece que o erro tem mais peso negativo em todas as nossas relações. Isso nos diz indiretamente que valorizamos mais os erros do que os acertos. Agora, pergunto: Já pensou se Deus usasse o mesmo critério que usamos?

Nem se quiséssemos Deus seria assim. Sabemos que Ele nos amou quando ainda éramos pecadores. O critério de Deus é diferente do nosso e é bom reforçarmos isso. Exponho assim, porque a nossa impressão sobre as coisas influenciam a imagem que fazemos de Deus. Idealizamos um "deus" da nossa maneira, que está mais disposto a valorizar os erros do que os acertos. Diante disso, quero refletir sobre texto abaixo:

Romanos 3:10-12 "Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda; Não há ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só." Alguns “adjetivos” extraídos sobre nós:
  • Injustos;
  • Sem entendimento;
  • Ninguém que busque a Deus;
  • Extraviados de Deus;
  • Inúteis;
  • Maldosos (Ausência do Bem é o mal)

Pense comigo, se não há quem faça o bem, se somos inúteis e desviados, porque ainda estamos aqui? Este é o mistério de um elemento fundamental em nossas vidas. A graça. Em Romanos 3:23,24 diz "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus." Em Efésios 2:8 diz assim: "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus." Observe:
  • Gratuitamente
  • Presente de Deus (Dom de Deus)

Mesmo todas aquelas características más como citamos, ainda Deus nos concede gratuitamente um presente. A Salvação por intermédio da fé em Jesus. A vinda de Jesus,  onde toda coisa consumou, formalizou a condição que sempre existiu: A condição de crer em Jesus como Filho de Deus para não perecer. Entretanto, esta condição não se opõe a gratuidade. Ou seja, a condição diz que é gratuita, mas dentro de um critério.

Parece que Deus é um mistério que o faz ser Santo sem ter nenhum vínculo com pecado, mas ao mesmo tempo é amoroso e gracioso para dar "O Maior Presente" sem custo algum para nós pecadores. Isto mesmo, nós. Somos todos iguais e precisamos entender isso com muito discernimento.

Isto igualmente deixa evidente que diante da "balança de Deus", entre homem e o pecado (os erros), o homem tem mais importância. A Bíblia fala em Rm 5:10 "Porque se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, tendo sido já reconciliados, seremos salvos pela sua vida." Observe a beleza e a preciosa evolução do amor de Deus na humanidade. Paulo sugere que Deus é constante em amar, e a medida do relacionamento, Ele nos ama ainda mais. Isso "proclama" para todos os humanos que a intenção de Deus é reconciliar o mundo, salvar o mundo e não acusá-los ou julgá-los. É importante colocar que o amor de Deus é tem o seu lado visível na atitude, portanto a medida do relacionamento ele age ainda mais (ama) em nosso favor.

A passagem de Romanos 5:10 introduz no texto a idéia de Embaixadores da Reconciliação, o que nos apresenta como representantes do Reino de Deus do mais alto nível para liderar uma missão. Pergunto: Qual missão? A missão de Reconciliar o mundo com Deus. Completamos este legado de Cristo.

O mais importante é: Mesmo todos nós merecendo o julgamento, Ele não veio para julgar. Mesmo todos nós merecendo a aniquilação, Ele veio para nos dar a Vida. Este é o mistério da graça que acredito ser impossível de explicar, justamente porque Deus tem um nível de justiça que caminha com a graça que é bastante diferente da nossa percepção das coisas.

Preciso ressaltar o cuidado em escrever sobre isso porque a graça não é o elemento que permite Deus tolerar pecado, mas o favor que permite Deus amar o pecador. É infinitamente diferente. Graça no grego “charis” - significa dar prazer ou mostrar favor a quem não merece - Porém, ela não representa a tolerância de Deus para aqueles que conscientemente pecam. Para este pecado "consciente" a Bíblia chama de iniqüidade e a conseqüência dele sempre traz insensibilidade. A iniqüidade é aplicada nas Escrituras como a causa do amor de muitos se esfriarem.

Feito esta distinção sobre tudo, a nossa intolerância com os erros dos outros é uma demonstração de hipocrisia em relação aos semelhantes. Entendo que a hipocrisia é fingir uma virtude que não temos ou que não podemos ter. É exatamente isso que fazemos. Relevamos erros de nossos irmãos, fazemos juízo e queremos condená-los, mas somos cheio de erros que nos condenam. Em Lucas 6:41E por que atentas tu no argueiro que está no olho de teu irmão, e não reparas na trave que está no teu próprio olho?

A bíblia ensina várias lições para isso, mas há quatro versículos que gostaria de sugerir e que deveriam servir como "guia de bolso" para todas estas ocasiões quando depararmos com erros nos relacionamentos de um modo geral.
  1. Mateus 7:1 "Não julgueis, para que não sejais julgados.”.
  2. Lucas 6:31 "E como vós quereis que os homens vos façam, da mesma maneira lhes fazei vós, também."
  3. Matheus 18:21,22 "Então Pedro, aproximando-se dele, disse: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete? Jesus lhe disse: Não te digo que até sete; mas, até setenta vezes sete."
  4. Matheus 6:12 "E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores;"

Frisando: Não julgar, desejar o semelhante o que desejamos para nós, perdoar quantas vezes necessárias for e sempre entender que o ato de prático de estar perdoando é um principio para sermos perdoados também.

A nós, crentes em Jesus, herdeiros da causa Deus e co-herdeiros da responsabilidade de Jesus, cabem instruir, refletir, admoestar e exortar dentro do contexto de amor. Nunca criticar no sentido condenatório, punir ou mesmo desprezar. Somos irmãos, temos a mesma origem, ainda que muito de nós não tenha consciência disso. Somos errantes por natureza e toda obra de Deus em nossas vidas, inclusive a Redentora que é condicional ao nosso esforço, é graça Dele.

Para quebrarmos este modelo de valorização ao erro, precisamos começar semeando o amor com o entendimento de que é preciso primeiro aprender a respeitar os irmãos e suas deficiências. Respeitar as deficiências é entender os limites humanos década um e se tiver condição, ajudar este mesmo irmão a superar esta deficiência. Aprender a respeitar ao mesmo tempo passa pelo conceito de igualdade de condições que temos perante o Deus Verdadeiro, até mesmo porque somos igualmente pecadores. A revelação de Deus para nós sugere a valorização do ser, o semelhante mais que os erros, assim como Deus faz. Somos iguais perante de Deus, e como Jesus nos amou, devemos também amar os errantes. Um dos argumentos para isso é: Porque um dia nós fomos, ou ainda somos errantes.

Deus abençoe.

Nenhum comentário: