terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Líder e o Testemunho

Definindo:

Líder é o representante de um grupo ou de uma corrente de opinião. Aquele que lidera um grupo de seguidores em prol de um alvo ou objetivo. Pessoa que concentra as decisões e a direção de algo. Quando nos referimos aos líderes, pensamos logo na capacidade organizativa e na credibilidade que o mesmo exerce sobre pessoas.

Aprimorando:

Cristo sempre foi e será o líder prático para representar nossos conceitos. Inicialmente, entendemos a vinda de Jesus como ponto de partida na referencia para liderança. Afinal, Ele provou que se necessário, o líder deixa sua posição para servir a outros ou mesmo ensinar os seus servos como servir. Jesus se despiu de sua Glória e na terra habitou como homem.

Nota: Considero outros heróis da fé como líderes, porém nenhum deles foi tão perfeito como Jesus.

Filipenses 2:
5 "De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,
6 que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus.
7 Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;
8 e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz."


Foi submisso, cresceu em graça e conhecimento, aguardou com paciência o tempo da Obra dele na Terra. Não foi líder por ter status ou mesmo por ser superior, afinal Ele se esvaziou de sua glória para servir. Provou que o tempo faz parte da preparação ministerial, pois apenas por volta de 30 anos começou seu ministério. No seu caso, o tempo de preparação foi modelo relevante para mostrar o que diz em Eclesiates 3. No caso de Jesus, Ele foi líder tendo com uma das suas maiores características a sua capacidade de servir a humanidade com as coisas que vem de Deus. Outro aspecto vivo na liderança de Jesus, foi que Ele nos deu o exemplo normativo de como fazer. Ou seja, Ele fez primeiro. Obs.: Ficou claro na conduta de Jesus que ele quis influenciar as pessoas para que alcançassem o propósito eterno, mas a aqueles que andavam perto Dele, ou seja os discípulos que compunha parte de sua liderança, Ele treinava para que ele continuassem com o seu legado.

Reafirmando

Um aspecto primordial de liderança é o discipulado, mostrado por Jesus e ilustrado bem no exemplo de Paulo que segue abaixo:
"Paulo aconselha a seu filho na fé a desenvolver o que ele ensinou cap 1 v. 18 "Este é o dever que te encarrego, ó filho Timóteo

Nesse ponto, o discipulado que Cristo fez e ensinou é a capacitação necessária onde o aspirante aprende os fundamentos das bases do Evangelho de cunho teórico e pratico para ser como seu discipulador. Depois de feito, ele continua o legado mantendo a mesma chama, ou seja sendo fiel aos seus princípios.

Outra medida da liderança é não ser omissa: O líder pela natureza da definição e função precisa ser exemplo do cumprimento daquilo que ele prega. Nesse ponto aparece a responsabilidade de liderança que veremos sobre testemunho.

Complementar: Testemunho

Quando penso sobre testemunho, penso na importância de seu significado para os cristãos. A definição passa por uma comprovação (prova) acerca de algo que presenciou de outra pessoa ou de um fato. No cristianismo, testemunho é essencial para certificar como verdadeiro os relatos e a existência de “Cristo”. Ao relevar seus significados em todos os sentidos, podemos citar algumas reflexões acerca do testemunho como base fundamental para certificação da verdade e defesa da fé cristã.


Em resumo, consiste em apresentar o relato histórico acerca de existencia real a respeito de Jesus como Cristo (Ungido) e diretamente comprovar a “mudança” que sua presença proporciona através da conversão a Ele. Esta conversão opera em pontos fundamentais como no exercício da prática de vida, ditando um estilo de vida social e relacional fundamentados na fé Cristã. Porém o foco desta conversão não é apenas o resultado externo das ações, mas a transformação do ser interior nas intenções daqueles que o recebem como Senhor e Salvador de suas vidas. Neste ordem em diante, todo e qualquer exercicio espiritual para nos fazer semelhantes a Cristo frutificará de dentro pra fora. O praticante passa ter uma conduta moral diferente da margem social. Crer na Bíblia é uns dos pilares para construção moral do testemunho cristão. A escritura sagrada vira o referencial para esse exercício da pratica de vida e a própria vida do crente convertido vira sua prova de que seu testemunho é verdadeiro.

Nesta análise, vamos tentar propor a observação do contexto sobre testemunho na visão de uma terceira pessoa.
Inicialmente, o Novo Testamento apresenta a necessidade de espalhar o evangellho através de Jesus, e mostra que o mesmo escolheu discipulos como suas testemunhas para que espalhassem a “boa notícia”.

Mateus 4:17 - “Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus.”

Atos 2:38 - “Pedro então lhes respondeu: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para remissão de vossos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo.”
Nestes dois versículos, vemos Jesus pregando sobre arrependimento e governo de Deus . Depois visualizamos seu discipulo, Pedro, espalhando a "chama" nos mesmos moldes da mensagem de Cristo. Muitos podem pensar superficialmente que a mensagem de Pedro era diferente da mensagem de Jesus, porém a mensagem de Cristo através de Pedro foi apresentada de forma fragmentada, trazendo a idéia de um passo inicial detalhado para o aspirante, no caso, o batismo. Porém sem desviar o raciocínio, foi apresentado como entendimento inicial de que para ser testemunha é necessário entender a mensagem de Cristo, recebe-la e transmiti-la como verdade. E isso inclui: Reagir com Arrependimento porque é chegado o Reino dos Céus. O batismo exposto por Pedro, foi movimento começado por João Batisa e aderido pelo próprio Jesus, o mesmo traz a representação de um ato de arrependimento através da "morte" da velha criatura. Por isso, podemos afirmar que sem estes pontos iniciais é impossível ser uma testemunha de Cristo.
Fragmentando:

Arrepender - Significa mudar de atitude. Se peco, não pecarei mais. Não peco mais porque existe um motivo, o arrependimento. Em resumo, arrepender em Cristo nos leva a três pontos.

1. Entender o arrependimento. Qual o significado dele? Qual o motivo de arrependermos?

2. Identificar os pontos para arrependimento. Precisamos entender que é um compromisso profundo. O principal problema do arrependimento imediato é que, geralmente, ele é superficial. Por este motivo, sempre será necessário o arrependimento caminhar dentro da grade de disciplinas do discipulado. Quando somos discupulados a ser como Jesus, estamos aprendendo a conhecer os valores de Deus em seu ângulo para assim assumirmos em nossa vida diária e mudar nosso comportamento. Um bom entendimento pode ser percebido através do Sl 38. quando o Davi demosntra como o ser fica quando esta em processo de arrependimento.

3. Esforçar para mudar. Engana-se quem acha que o arrependimento é sem esforço. Entendo que é uma compreensão através da iluminação do entendimento debaixo ótica de Deus, algo que vem da ação sobrenatural de Deus em nós e que não tem mérito humano. Sabemos que o força sobrenatural, Deus com seu poder vai agir para nos dar condição através de nosso esforço vencermos as lutas. Deus opera para que nosso próprio esforço não seja em vão. Em outras palavras, Ele nos dá a condição de lutar através do nosso esforço. Mt 11:12 E, desde os dias de João o Batista até agora, se faz violência ao reino dos céus, e pela força se apoderam dele. O versículo 12 complementa a idéia de esforço para fazer parte do Reino do Céus. Repare que Jesus falou de ARREPENDIMENTO e depois de ESFORÇO, Arrependimento é um esforço que vem atraves da iluminação de nosso entendimento e do convecimento do Espirito Santo de Deus. Nota: Apesar de ter relação com esforço, não existe mérito humano porque é um favor por parte Deus. Existem outras implicações sobre a ótica da obediencia, porém, vamos deixar para depois.

Dentro do curso da fé cristã é necessário desenvolvermos a salvação que é uma especie de elevação do nível de nosso testemunho. Maturidade Cristã é resumo disso. Este nível passa pelo comprometimento de se tornar um discípulo. Nesse caso, o nível eleva-se pela responsabilidade, começando pelo arrependimento, entendimento do Reino de Deus, negar a si mesmo, assumir sua posição como discípulo no Reino de Deus, desenvolver a salvação (maturidade Cristã) e espalhar a chama (essa é a base para nosso ministério). Muitas pessoas enxergam de forma equivocada sobre os ministérios repartidos em Ef 4:11. O nossos ministérios gira em torno da centralidade do Ministério de Cristo. Todos os dons devem funcionar em submissão a missão que ele implantou e delegou a igreja. Os dons repartidos por Deus em Efesios 4:11 estão submissos ao Ministério Universal que Deus delegou a sua Igreja. A missão da Igreja:
  • Ide e pregai o Evangelho a toda criatura
  • Ide e fazei discipulos de todas as nações

Ide e pregai o Evangelho a toda criatura, fazendo discipulo de todas as nações.
Nota: Quero frisar que ausentar dessa responsabilidade central da missão da igreja é característica da omissão.

Continuando sobre testemunho, para entendimento do texto é interessante propor a existência de dois tipos de testemunhas que exemplificam a elevação deste nível de testemunho: A testemunha direta ou indireta

  • Testemunha Direta: É aquele que relata acerca daquilo que tem ocorrido com ele. Suas experiencias, suas bençãos, sua conversão por experiencia direta com o Senhor, etc - Testemunho de Vida
  • Testemunha Indireta: São aqueles que estão próximos de pessoas que são testemunhas diretas e que indiretamente podem dizer a respeito da mudança do outro. Testemunho de ouvir

Como ilustração, para isso podemos citar Jo 42:5 Com os ouvidos eu ouvira falar de ti; mas agora te vêem os meus olhos.


Ha um diferença crucial que se enquadra na relação da graduação do nível de testemunho, essa diferença é a experiencia direta com Deus. Para isso vamos entender que Indireto é aquele que ouve falar dos feitos, sabe que Jesus tem feito por presenciar o que Ele fez na vida de algum conhecido, familiar e de outros. Essa é a testemunha indireta que se converteu, mais ainda não elevou o nível de seu testemunho a experiências diretas com Deus. Faço diferenciação nesse ângulo porque na prática da conversão, não significa que todo cristão tenha tido experiencia direta com Deus. Ele pode ter sido impactado pelo testemunho de outra pessoa. Ex.: A esposa pode ser testemunha indireta do testemunho de seu marido e se converter mesmo sem ter experiencia ela mesma. Ou seja, ela ainda terá que ter suas experiencias próprias e isso é o que Deus deseja.
Nota: Boa parte das conversões iniciais são assim, pelo que alguem vê acontecer na vida do outro e experimenta apenas por ouvir falar. Parece frio falar assim, mas através de ouvir falar de testemunho direto de outras pessoas sempre houve, há e haverá conversões.
Agora como elevação do nível de conversão, a medida do desenvolvimento da salvação o resultado será um relacionamento direto com Deus. Isso elevará a pessoa a uma conversão direta, pois sua mudança de vida passará a comprovar a veemencia do poder da chama do Evangelho e sua capacidade de mudar os corações.

Podemos dizer que só passará a ter experiencia direta com Deus aquele que entender que seu proposito Eterno é sermos a Imagem e Semelhança de seu Filho. É tão profundo isso. Redenção é um meio pelo qual Deus usa para se relacionar de novo conosco. A partir daí, quem entendeu essa essencia precisa buscar disciplinas espirituais no processo para que a consiga ser um imitador da vida de Cristo.


Diante disso, podemos ilustrar:


Lucas 9:23-24 - Jesus dizia a todos: "Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida a perderá; mas quem perder a vida por minha causa, este a salvará. Seguidor é ser testemunha. Trata-se também de chamar a responsabilidade semelhante Paulo que chegou ao ponto de dizer: I CORÍNTIOS 11.1 "SEDE meus imitadores, como também eu de Cristo". Essa responsabilidade que Paulo mostra é a elevação do nível de testemunho. Paulo entendeu essa responsabilidade ao ponto de dizer que imitava a Cristo. Como conseqüência, o seu testemunho torna o maior triunfo da manifestação do Evangelho e da existência do próprio Cristo na vida dele.

2 Co.3.1-5 "Porventura começamos outra vez a louvar-nos a nós mesmos? Ou necessitamos, como alguns, de cartas de recomendação para vós, ou de recomendação de vós? Vós sois a nossa carta, escrita em nossas corações, conhecida e lida por todos os homens. Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito de Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração. E é por Cristo que temos tal confiança em Deus; não que sejamos capazes, por nós, de pensar coisa alguma, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus."

O testemunho acerca do Senhor propõe dar frutos, o que significa que os frutos certificarão ainda mais a veracidade dos relatos. Em outras palavras, as cartas vivas não são o testemunho de boca, mas o testemunho de vida que gerarão frutos que falará por nós. Testemunho de vida impacta muito mais por representar um fato.


Destacando esses pontos, fica notada a importancia do testemunho direto, testemunho de vida que mostra a humanidade o impacto que a presença de Deus gera em nós ao ponto de trazer esperança para aqueles que não conhecem a Deus e que através de nosso testemunho de vida podem ser impactados.


Pois bem, usando a postura de Paulo, lider de várias igrejas, e sabendo da postura do Mestre Jesus podemos começar a desenhar um esboço do líder preparado e capaz, que saiba discernir o tempo e a hora de cumprir seu papel em Deus. Estar disposto a se enquadrar nos princípios espirituais e doutrinários estipulados por Jesus, para que obra seja feita segunda a vontade do pai é a um dos pré-requisitos para começarmos a entender.

Começando:
1 Timóteo 3:1-10 - Fica claro que de acordo com a vontade de Deus qualquer pessoa que deseja ser líder, precisa necessariamente ter testemunho prático de Principios Bíblicos. O livro mostra que por traz das doutrinas, há um critério rigido e seletivo para ser observardo pelo aspirante a Lider. Critério alto e com exigencias que só são alcançadas na construção da moralidade gerada e contida no fruto do espirito.

(3.2) - É necessário, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma só mulher, temperante, sóbrio, ordeiro, hospitaleiro, apto para ensinar;

Neste texto há diversas exigências, como ser equilibrado e de bom senso. Pessoa que não se inclina as tendências. Pessoa pacífica, que não se inclina a confusão ou propaga a confusão. Disposta a abrigar necessitados por caridade. Também preparado para ensinar o seus liderados. Mas o principal ponto desta referencia é o testemunho, ou seja, ser irrepreensível. Aquele não merece repreensão.

(3.3,4) - não dado ao vinho, não espancador, mas moderado, inimigo de contendas, não ganancioso; que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com todo o respeito (pois, se alguém não sabe governar a sua própria casa, como cuidará da igreja de Deus?); Fica claro como uma das exigências é a sobriedade e autoridade adquirida pelo exemplo de conduta e discernimento das situações, de evitar a embriaguez, de evitar brigas e contendas. Autoridade exercida pelo exemplo e não pela potencia de voz ou altivez. Tambem fica claro que a ambição exagerada corrompe os valores do coração de alguém. Que seja um homem caracteristicamente presente no contexto familiar e que mantém o controle de sua casa assim como o respeito de sua família. Por muito tempo se adquiriu uma idéia de que a mulher, apenas a mulher, era quem cuidava da casa. De uma certa forma pregadores propagavam uma idéia de que a mulher era maior responsável pelo contexto familiar no que diz respeito a criação do filho. Mas, de acordo com a palavra, Paulo ensina ao homem para que o mesmo esteja presente em todo contexto familiar adquirindo e administrando o respeito de toda a família. Admoesta tbem que aspirante não seja principiante, para que não se ensoberbeça e venha cair na condenação do diabo.

(3:6) mostra que a falta de experiência na fé precisa ser um critério cuidadoso que precisamos manter. Os "cristãos novos" de pouca experiência tem pouca comprovação necessitando de uma maior tempo sendo provado na fé.

(3.7) - Também é necessário que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em opróbrio, e no laço do Diabo. Nesta passagem, Paulo fala sobre o testemunho como exigência para aqueles que não conhecem a Jesus. Na verdade cria se um critério importante que nos leva a refletir sobre a liderança atual das nossas igrejas. Ao olharmos para as características ensinadas por Paulo, vamos perceber o quão criterioso e custoso é ser líder. Demanda tempo, cuidados, sobriedade e disposição. E dentro desses critério, se fizéssemos uma peneira, a maioria dos líderes atuais seriam reprovados. E Se alguém não estiver preparado para pagar este preço, não ha como ser líder.

Continuando:

As instruções produzidas por Paulo nada mais é que um esclarecimento do que foi a vida de Jesus. Dentro das instruções que Paulo dava a Timoteo, existia algumas recomendações que eram locais. Porém no quadro geral, Jesus cumpriu todas estas situações. Jesus foi perfeito. Ele ensinou submissão, liderança, serviço como servo, postura, sabedoria e amor - o tempo todo. Sua conduta e seu modo de agir mostrou-nos o elevado custo de renuncia que um servo tem que se submeter. Ele é a referencia perfeita, e assim como Paulo nos ensinou, devemos ser imitadores de Cristo.

Sobre a conduta de um aspirante a líder, podemos concluir que Jesus, além de se posicionar como servo e se dispor ao critério, antes de realizar a obra ele foi uma pessoa útil. Antes de mesmo de começar o seu chamado especifico, ele se apresentava como servo fiel e útil na sua casa. A experiência de Cristo basicamente é um estagio de fé onde a prática da vida cristã é assistida, e se for provado e aprovado, ele servirá.

É perceptivo nestas observações que capacitação Cristã não é apenas um curso ou seminário. É uma vida prática, observando e seguindo os exemplos do Mestre. Jesus escolheu discipulos em moldes diferentes do conceito dos aspirantes ao Rabinato na época. Mostrou claramente que a preparação não depende de dons, conhecimento teológico, mas carater, testemunho, sobriedade, autoridade, discernimento, equilíbrio, moralidade, e exemplos em todas as esferas sociais, principalmente a família.

"Corremos um risco muito grande quando desprezamos esses valores por apenas uma formação acadêmica que tem em seu currículo formado por matérias cada vês mais vazias dos princípios de vida cristã, o que faz com que haja um vazio de valores vividos nas lideranças cristãs, nos escândalos que aparecem em vários âmbitos da sociedade, pois o evangelho do engano tem falsificado as marcas de quem poderia ser líder, Pastor, Diácono, Presbítero, missionário etc. vivemos a crise do exemplo e da prática, é a síndrome de Macunaíma, o filme inspirado no livro de Mário de Andrade, o herói sem caráter, o líder carismático sem moral. Por isso admiro muito Paulo que foi Apóstolo porque tinha marcas da prática cristã em sua vida. O seu evangelho não maquia nenhuma situação, ele diz nessa carta que Timóteo tenha cuidado com esses falsos líderes que têm pregado um evangelho fácil, sem implicações com a morte do egoísmo. Por último o líder ele não visa o lucro, mas o chamado. Cap. 6.5 diz "... por homens cuja mente é pervertida e privados da verdade, supondo que a piedade é fonte de lucro"." (extraído do site da Jocum)

Como ja explanamos nos textos acimas, cabe ao líder ter a sua motivação esquadrinhada e sua capacitação comprovada. O aspirante deve ser enquadrado no perfil das características lideracionais que Paulo ensinou como exemplo. Nestas características, a valorização do comportamento é fundamental e prioritário na escolha de um líder porque prova o carater. O limiar contido neste ponto pode expor o quanto a nossa motivação pode ser carnal e egoísta. O quanto das nossas vaidades em diversos momentos é o fator que motiva a nossa fé. Dons, status, vaidade, tudo isto esta muito próximo de qualquer líder em potencial. Em outras muitas situações, nossas orações e escolhas parecem certas porque visualizamos de um ponto de vista onde acreditamos que é correto, mas quando estamos diante do espelho cristão (Cristo), percebemos que na verdade o nosso coração pode estar corrompido pelo desejo mascarado de crescer e obter o sucesso na vida pessoal através da fé. Por isso muitas vezes aparecem pessoas que mesmo sem demosntrar sua intenção direta, justifica suas ações na falsa meta de crescer em Cristo ou glorificar a Cristo. Estes não querem apenas serem servos, mas sim ser super crentes com várias qualidades e com um ministério de sucesso. Existe uma vontade de realização subentendida em nossos corações e creditamos isso a um desejo vaidoso de crescer em Cristo.

Tambem vivemos um distorção na valorização daquele que é líder. Olhamos mais para os dons de um pessoa em detrimento do carater. Eu costumo repreender sempre todas as pessoas que apontam como aspirantes a líderes aquele que falam bem, fazem proezas com seus dons naturais e qualquer outra coisa que o ponha em destaque. Pelo contrário, o que a Bíblia procura em um líder são valores como consciencia cristã, submissão a Deus, humildade, maturidade (pessoa ja provada na fé), testemunho.

Geralmente quando viemos do mundo ainda existe muitos resquícios do meio. Nossos desejos, nossos idealismos, nossas opiniões e nossas motivações podem estar vivas escondidas em algo lugar do seu ser. Todos os dias de manhã acordamos com eles, todos sentimentos e vontades. A carne continua presente. Neste ponto que precisamos praticarmos um auto-exame de nossas motivações e abrirmos nosso corações para Deus sondar no sentido de revelar para arrependimento e assim trazer a mudança. Devemos lembrar do compromisso de renuncia que fizemos com o Senhor. Renunciamos a nossa vontade para vivermos a vontade Dele, Jesus. E para vivermos a vida Dele em nós, precisamos lembrar que ele se esvaziou de sua glória e na terra habitou como homem, se humilhando a forma de Servo. Refletindo: Por acaso somos maior do que próprio Deus que abriu mão da sua glória para ser entregar? Neste ponto, o líder precisa ser o maior exemplo de servo. Jesus ensinou isso, que a carateristica de seus seguidores é servir. Lucas 9:48 e lhes disse: Quem receber esta criança em meu nome a mim me recebe; e quem receber a mim recebe aquele que me enviou; porque aquele que entre vós for o menor de todos, esse é que é grande.

Concluindo

Nessa situação é que se diferencia os verdadeiros lideres cristãos. Situação que mostra que a liderança não se baseia na vaidade ou no sucesso pessoal, mas no fundamento que encontramos nos exemplos de Jesus e no sucesso da missão do próprio Deus manifesto atraves do líderes na fé, no exemplo Paulo. A exigencia criteriosa da liderança é a demonstração do quão sério e criterioso se faz o reino de Deus. Não um reino sem risos, sem graça, sem espontaneidade, mas um reino que sabe ler a complexidade da vida e por isso exige que os seus sejam obreiro sejam aprovados em sua preparação. Testemunho é fundamental.

No contexto geral do Ministério de Jesus, o livro base de Timoteo que usamos aqui é para trazer a referencia e confirmação daquilo que o próprio Jesus ja tinha mostrado. Qualquer convenção cristã sem justificação na vida de Cristo é por si mesma enganosa. Cristo veio para vencer, e principalmente, mostrar e ser um amostra, de que Deus enxerga a humanidade com amor, graça e critério.

Espero que este texto responda inicialmente e auxilie a reflexão para ajudar a mudar o comportamento existente. O comportamento do líder tem relação integral com a responsabilidade do testemunho direto de que Jesus é o exemplo a ser seguido.

Um comentário:

Pr. Carlos disse...

Se alguém quiser contar sua experiência espiritual envie-nos um e-mail com a narrativa para: teo-fanias@hotmail.com
Ou entre no nosso blog: http://vaticinador.blogspot.com/