terça-feira, 17 de novembro de 2009

Insensibilidade

Você deve estar pensando. Um texto de reflexões sobre a Insensibilidade, mas o que isso tem a ver com igreja atualmente? Tudo. A igreja atual vive uma crise de identidade. Não sabe para qual propósito a mesma existe. A crise deixou os cristãos em uma zona de conforto. Virou uma comunidade acomodada que apenas se importam com números, dízimos, CDs, DVDs, tele-evangelismos que falam mais de produtos comerciais do que com a essência do evangelho. A mensagem do evangelho para muitos que se dizem cristãos passou a ser antropocêntrica. Pregações que giram em torno do homem. A maior parte das igrejas locais perderam a identidade de Cristo, ao contrário, passaram a ter como referencia valores mundanos. O termo mundano é o termo para as coisas que são valorizadas pelo “príncipe deste século” e que a própria Bíblia atestou que esta no maligno. 2Co 4.3,4 "Mas, se o nosso evangelho ainda está encoberto, é para os que se perdem que está encoberto, nos quais o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus." / 1Jo 5.19 "Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro jaz no Maligno."

Destaco inicialmente a realidade do contexto do ambiente Cristão nos dias atuais. Temos medo de nos posicionar e esta falta de postura gera em nós insensibilidade e conseqüentemente passamos a correr o perigo que adverte Matheus 5:13,14 Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte;

Ao chamar atenção para estes problemas que são conseqüências da falta de posicionamento em defender a verdade e do conformismo gerado pela Omissão quero propor a leitura de Matheus 24:12 que diz: E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará.

Ao definir INIQUIDADE, podemos afirmar que é o Pecado consciente. Peca sabendo que isto é contra o que Deus ensina e quer que vivamos.

Ao pensar sobre isso imagino o seguinte: Você consegue imaginar alguém que ouve a voz de Deus e fica indiferente? Por incrível que pareça ser, isto tornou-se comum na realidade daqueles que dizem ouvir a Deus. Aqueles que dizem ser cristãos, mas que não sabem discernir a voz de Deus. Não sabem identificam a mensagem de Deus para humanidade através do seu filho Jesus. A insensibilidade irradiou para meio da igreja atual, tornando os crentes omissos, conformados e conseqüentemente insensíveis

Quando já não conseguimos perceber Deus na criação, nos Filhos Dele, nas suas ações de um modo geral, significa que a insensibilidade já esta agindo sem que percebamos. Pessoas que professam Cristo frustrando outras pessoas, líderes escandalizando, aceitações de praticas pecaminosas, etc. Este contexto, a Bíblia se refere como a Multiplicação da Iniquidade. Iniquidade é pecado consciente. É quando uma pessoa sabe que é pecado e ainda assim peca. Em outras palavras, é resistir a Deus. Desobediência.

Odor do Pecado

Hoje, grande parte dos evangélicos assemelha a aqueles que trabalham com substancias mal cheirosas e que depois de algum tempo que convivem com o odor, o sentido olfativo deles acostuma com o cheiro. Após poucos minutos, tornam-se insensíveis para o odor original, não sentindo que há "mal cheiro" no ambiente. Este é um dos primeiros diagnósticos de uma vida de insensibilidade. "Crentes" que já não conseguem crer. Já não sabem diferenciar o cristianismo da religiosidade. Não consegue discernir ao seu redor. A fé é o primeiro passo para relacionarmos com Deus. "Sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima precisa crer que ele existe e que recompensa aqueles que o buscam". Hb 11:6 Depois do advento da criação, sempre que Deus se relacionou com o homem ou fez algo em sua vida, teve a fé envolvida no contexto.

Na construção deste texto, estive refletindo sobre como conseguir examinar a "mim" mesmo neste tempo onde a insensibilidade praticamente impera e corrompe os sentidos cristãos. Fico constamente amedrontado, temendo que minha reflexão esteja comprometida pela insensibilidade que domina os cristãos em muitos lugares. Como perceber que não sou um destes que estou citando. Na verdade, confesso: Fui atingido de certa forma. Por isso oro e alerto aos irmãos a não menosprezar alguns pontos muito importantes em nossa fé cristã. As situações estão constantemente ruins em todos os lugares que meio que acostumamos com elas. Não notamos a diferença ou mesmo não importamos. A noção do pecado do ponto de vista Deus não incomoda muitos cristãos. Perdemos a sensibilidade por acomodarmos com odor do pecado, e já não mais importamos com as "coisas" que importávamos em outro tempo.

Neste ponto, a insensibilidade confunde tão minuciosamente que, para os insensíveis, qualquer "voz" pode ser considerada a voz de Deus desde que responda a religiosidade. O insensível acredita sempre que Deus age do jeito dele. A pessoa pode até ouvir a voz de Deus, mas não dá a devida importância. Não sabe tratar com o discernimento adequado, pois a prova de sua crença é baseada em falsos fundamentos. Mt 7:26 E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia. A sensatez é uma característica da sensibilidade, e a mesma só vem em Deus com obediência. Vamos falar disso mais para frente.

A crítica deste texto é para olhar dentro de nós mesmos como igreja, examinando segundo as escrituras a nossa condição atual. Precisamos avaliar onde estamos fundamentados. Edificamos a nossa casa sobre a rocha ou sobre a areia? Aqueles que ouvem a voz de Deus sem discernir, muito provavelmente crêem em valores religiosos e não nos fundamentos da Escritura Sagrada. O conhecimento da palavra é essencial para ouvir a voz de Deus. Também posso dizer que a religiosidade, mesmo que inconsciente, pode por vezes ser o primeiro passo para servir um senhor diferente do Verdadeiro Senhor. Mt 6:24 Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará a um e amará o outro, ou dedicar-se-á a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e à riqueza.

Quero destacar que:

· A indiferença com o cristianismo dentro de si mesmo é uma marca profunda de uma vida de insensibilidade. Apocalipse 3:16 Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Quero dizer que ser cristão é ter uma vida completamente diferente dos parâmetros da sociedade atual. Deus tem nojo daqueles que conhecem a verdade e não se posicionam. Daqueles que focam as coisas terrenas dizendo ser espiritual. Quero frisar que omissão, conformismo e insensibilidade são as marcas da frieza espiritual que atinge a Igreja nos últimos dias como fala em Matheus 24.

· Podemos dissertar dizendo que a forma egoísta que muitas vezes encaramos a vida é uma característica da insensibilidade. Olhamos apenas para os nossos problemas, necessidades, sonhos, e outras coisas relativas a nossa individualidade. Nossa falta de caridade virou um símbolo de nossa insensibilidade. Resumimos nossa caridade a um evangelismo de panfleto e das sobras do que vivemos. Somos superficiais, vivemos de aparência semelhante aos fariseus citados por Jesus que fazem seus sacrifícios para que os outros vejam. Somos muitas das vezes como o sacerdote da Parábola do Bom Samaritano - "Passamos de largo". Neste angulo, se não somos capazes de seguir o conselho do "Maravilhoso Conselheiro" e se não conseguimos identificar a caridade instruída pelo Senhor, como ouvir e discernir a sua voz?

O primeiro passo que dei em relação ao discernimento foi crer e conhecer as ações de Deus, encontrando Nele sempre uma comunicação que considera e responde a incapacitação humana. Deus sabe tanto que os humanos são incapazes que Ele veio a Terra, deu exemplos de sua caridade, mostrou sua missão a toda humanidade. Em momento algum o Senhor Jesus contrariou seus princípios para facilitar o discurso para ganhar mais pessoas, porém Ele mantinha-se acessível a todos, principalmente aos mais necessitados. Isso é um exemplo de comunicação do Senhor conosco. Por isso vamos citar alguns exemplos de sua fala direta e indireta com os seus:

1. Caridade (amor) - Deus demonstrou o apse do amor Dele em relação a humanidade ao enviar o Seu filho Jesus a vir a terra e morrer por nós. Do ponto de vista de Jesus, Ele deixou claro que a nossa prova de amor em Relação a Deus é a obediência. João 14:23 Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada. Também Jesus mantinha sempre uma relação de amor que constrangia os necessitados. Isso é um ensinamento precioso sobre as obras mediante fé.

2. Graça (demonstrou o favor a todos) - A graça é base para tudo. Ela é disposição do coração de Deus que enviou o seu Filho para redenção. A graça é o favor da relação incondicional de amor Dele em relação a humanidade. A graça é tanto a prova do que não merecemos o que temos como a virtude que opera para aquilo que podemos ser em Jesus

3. Coerência com Mensagem (pregou e viveu o que pregou) - Jesus é maior exemplo em todos os sentidos

4. Discipulado, (escolheu discípulos para dar continuidade ao legado) - Jesus não preocupou em fazer todas as coisas ao mesmo tempo, antes focou em sua missão e no discipulado. Essa é a obrigação cristã que Deus deixou claro e é a que mais omitimos

5. Humilde e Atencioso (Deus não desprezava ninguém) Jesus não tinha classe social, antes interagia e relacionava (relaciona) com todos, principalmente com aqueles considerados "marginalizados".

6. Oração e Jejum (Mesmo sendo o próprio Deus, ele demonstrava exemplos de oração) Ele alimentava o espírito mitigando a carne e buscando relacionamento através de disciplinas espirituais como Oração e Jejum.

7. Perceptível (Jesus entendia plenamente as relações da vida, intenções, aspirações) - Jesus sempre esta atento as coisas que eram propósito de Deus, e isso inclui diagnosticar as falsas intenções dos fariseus na época.

Nota: Existem inúmeros outros exemplos identificáveis na palavra de Deus.

Continuando

Algo marcante na vida de Cristo foi e é a sensibilidade Dele para com a vida nas extensões conceituais da humanidade. Passa pela compreensão das falhas humanas até o discernimento completo das relações mais complexas, dando a oportunidade do perdão para cada um de nós, desde que, reconheçamos através do arrependimento em nosso coração e pedimos a Ele o favor do perdão. O arrependimento pode vir inicialmente por causa da incredulidade (para os não cristãos) e depois de cristãos professos, pelo pecado. Só pedimos perdão pelo erro não intencional quando o Espírito Santo gera em nós uma consciência moral. Às vezes cometemos pecado sem ainda termos a noção do erro do ponto de vista de Deus, mas mesmo nessa situação O Espírito Santo gera em nós constrangimento para o arrependimento Jo 14:26 Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito

Nesta relação é bom frisar que Cristo sabe diferenciar o pecado do pecador, que mesmo pecando, terá sempre oportunidade Nele (Cristo) de se arrepender em seu coração e ser perdoado. Porém, muitos pecadores usam da idéia de premeditar o perdão. Pecam com a corrupta consciência de que Deus sempre irá perdoá-lo. Isso é iniqüidade. Os crentes desse comportamento são "sujeitos" sem nenhuma forma de vida que diferencie dos incrédulos. Não trazem esperança em suas vidas, ao contrário, só trazem a decepção e a materialização prática do que Satanás quer para as pessoas. Sonham com engodo da vida, fermentam seus desejos vaidosos com desculpas cristãs, maquinam o mal, são agentes diretos de Satanás para a destruição da família, desejosos da fama a qualquer preço, cheios de altares humanos, desvairados, promíscuos e insensivelmente egoístas por acreditarem no discurso de que Deus quer que sejamos felizes por nossos próprios meios.

Esta turma propaga a idéia corrompida de que Deus permite qualquer coisa por nossa felicidade, porém, a pessoa mistura seus sentimentos e sonhos pessoais com a pretensão de propor a si mesmo e aos outros suas vontades como se fossem a vontade de Deus. Vivem o evangelho antropocêntrico, ou seja, acham que a salvação gira em torno do homem. Estas pessoas não se converteram de fato, pelo contrário, mascaram seus desejos "mundanos" com falsos idealismos cristãos. Usam uma capa superficial de pessoa bem sucedida na fé, mas que esta cheia de si mesma e que tenta se justificar através dos seus supostos feitos. A concepção que tem permitido essa turma viver assim trata a Deus como segundo plano, como se Deus fosse escravo da vontade dos desejos do homem. Na verdade a maioria usa a Deus para se promover.

Para se ter idéia, ouvi de uma pessoa que estava separando da sua esposa que ele orou a Deus sobre a separação e que "deus" orientou a romper com o casamento, sem nenhum motivo justificado pela Bíblia. Depois de algum tempo, ao saber mais do conteúdo da história, percebi que o "sujeito" já estava "enamorado" com outra mulher. Ou seja, este era o tipo de resposta de Deus lhe convinha. Pior, ele continuou sustentando que estava certo para não ter que assumir os seus erros. A insensibilidade é assim: Sugere a nossa consciência o engano de que Deus vive para nossa vontade e não nós para a vontade Dele.

Nota: Na primeira edição deste texto, fui questionado pertinentemente por um irmão querido que me disse que o problema da insensibilidade está no fato de que ser sensível a voz de Deus é um "tanto quanto" subjetivo. Ele dizia isso baseado nas muitas correntes de ensinamentos que existem. Apesar de eu ter dito acima que Deus é tão justo e perfeito que ele compreende a incapacitação humana, eu não saberia responder a ninguém, se alguém, me pedisse para ensinar como ser sensível. Creio que não existe ensinamento para isso. Pela ótica humana, ele tem razão. É subjetivo. Agora, pela ótica das escrituras sagradas, podemos dizer que o caminho é a experiência pessoal diretamente com o Senhor e sua Palavra. Ou seja, ninguém saberá responder com exatidão qualquer padrão de sensibilidade, justamente porque a experiência pessoal não serve como norma para ninguém. Porém, Deus ensina por meio de sua palavra a via para se achegar a Ele.

Agora, sem a pretensão de ser professor, o que posso fazer é apontar alguns ensinamentos que me ajudaram a encontrar a referencia para discernir a sensibilidade em Deus. Para relacionarmos com Deus, a via sempre será Jesus. A bíblia diz: Jesus é o caminho a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai ao ser por mim. Esta afirmação é um ensinamento precioso que nos leva a pensar que para chegar ao Pai, precisamos em Jesus andar no caminho (caminho estreito), viver a verdade (A verdade é sua palavra que liberta) e ter a vida (vida eterna no presente). Então algumas conclusões são necessárias.

  • Fé - Não ha como iniciarmos qualquer relacionamento com Deus sem fé. Não existe cristianismo sem crer. Hb11: 6 Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam Também precisamos ter em mente que a fé é gerado pelo próprio e sua palavra. A bíblia diz em Romanos 10:17 Logo a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo. Também diz em Hebreus 12:2 parte a Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, A construção em cima destes versículos nos permite a idéia de que fé vem pela palavra de Deus, e é gerada pelo próprio Deus para que Ele possa consumir. Ou seja, para que Ele possa cumprir sua fidelidade ao cumprir. A fé é a certeza do caráter de Deus. Ele nos ama sempre e sempre vai querer o nosso bem. A fé é uma ponta de fidelidade entre Deus e nós. Da parte de Deus sabemos que ele cumprirá, da nossa parte é que falhamos porque nossa desconfiança é que gera em nós a incredulidade. Então, a fé base fundamental para relacionamento com Deus em qualquer nível.
  • Arrependimento - A primeira pregação de Jesus e do maior profeta que o próprio Jesus diagnosticou, incluía: Arrependei-vos. Arrependimento é a porta de entrada do Reino de Deus com o nascimento de novo. Simbolizado pelo batismo. O arrependimento inicial exigido é o da incredulidade. Mateus 4:17 - “Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus.”
  • Ser dependente de Deus - Ponto inicial reforçado no sermão do monte - "Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus" Mateus 5:3. O Reino de Deus tem total ligação com as “Bem aventuranças” do Sermão do Monte. Recomendo o Livro - Alma Nua do Pr Ivênio do Santos. Da nossa parte, ser dependente de Deus é o passo inicial para idéia de Governo de Deus. Aquele que depende é aquele que é governado por Deus.
  • Obediência e Relacionamento - Quando entendemos a essência dos dois mandamentos. Amar a Deus acima de todas as coisas trata de Relacionamento com Deus. Quando Jesus disse em Jo 14:21 Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele. Em outras palavras Jesus estava ensinando que a prova de amor é a obediência. Em outras palavras poderíamos dizer - Obedeça a Deus acima de todas as coisas. Ha muito ensinamento nisso No outro mandamento - Amar teu próximo como a ti mesmo. Ensinamento que trata de relacionamento com as pessoas. Reparem que primeiro falei sobre relacionamento com Deus para depois apontar sobre relacionamento com o irmão. Só conseguimos entender a essência dos dois mandamentos quando entendemos a importância do relacionamento para Deus. Ou seja, o amor sob ótica de Deus é fundamental para o relacionamento com Ele e com os irmãos. Em essência: Relacionamento Saudáveis. O Relacionamento com Deus e relacionamento com os irmãos.
  • Adoração (devoção) – Imitar a Cristo exige devoção. Quando disse acima que devemos identificar os mesmos pontos que sensibilizaram a Ele, quero dizer em outras palavras que precisamos ser imitadores Dele, Cristo. 1 Coríntios 11:1 Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo Nota: Quando me refiro a ser imitador, estou dizendo que esta implícito a renuncia, testemunho, a espiritualidade, o amor, e todas as outras coisas que conhecemos por intermédio Dele. Também quero frisar que uma das formas de Adorar é imitar.
  • Graça - Não é segredo para ninguém que a humanidade é cheia de defeitos e falhas, mas é completamente possível pelo tempo de graça que vivemos que o pecado não tenha domínio sobre nós. Jesus disse que é possível e pela construção da história bíblica relacionado com o real significado de graça, sabemos que é perfeitamente possível não vivermos sobre o domínio do pecado. A graça é base para entendermos esta maneira incondicional do amor de Deus pela humanidade. A Bíblia diz: Romanos 6:14 “Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça.”

A sensibilidade não é matemática, mas pode ser plenamente exata desde que exista a leitura adequada das proposições Bíblicas. Então devemos crer. Ou seja, começar pela crença de que Deus é suficiente pessoal ao ponto de responder a existência de cada um. Envolve perceber que Jesus se preocupou com humanidade antes da sua vinda, durante a sua vinda e para sua volta. Neste caminho, a sensibilidade começa quando o aceitamos e passamos a identificar no curso da vida de Jesus desde inicio da humanidade (falo desde o inicio porque a Bíblia relata que tudo se fez por meio Dele), as mesmas situações que sensibilizaram a Ele. Com desenvolvimento da fé cristã, somos libertos do pecado a medida que vamos examinando a nós mesmos pelo olhar de Cristo em suas escrituras, propondo o culto racional baseado na vida de Cristo, sua missão e seu propósito eterno para humanidade. Em outros termos, entendermos o Propósito Eterno de Deus para nós. Romanos 8:29 - Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.

Resumidamente podemos compreender que Cristo se mostra apto a responder a todos com exemplos pela palavra, através de suas parábolas, a todos que se achegam a Ele, todos que reconhecidamente precisam Dele, e todos aqueles necessitam ouvir o tipo de resposta que certifica a presença de Deus na humanidade. E a finalidade de todas estas formas de comunicação através da vinda Dele é para o reconhecermos como diz em Matheus 16:16 E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. Todas estas coisas exigem uma posição de aceitá-lo como Senhor (dono), conhecê-lo através das escrituras e o principal, tentarem estabelecer relacionamento com Ele através da dependência (como é proposto pelo próprio Jesus). Por isso quando orarmos a Deus estamos propondo uma conversa com alguém que é Onisciente e a que a Bíblia refere-se a Ele como Maravilhoso Conselheiro. Nota: Cristo responderá do jeito que minha incapacidade compreenda sem contrariar seus princípios. O que estou dizendo é que Deus responderá a nossa incapacidade quando ela não for fruto de omissão.

Depois destes conselhos, na contramão daqueles que pensam que "vale tudo" na busca de ser feliz, o objetivo do cristão não é a busca da própria felicidade, mas ela como consequência da vontade de Deus. E a vontade de Deus é voltarmos para essência de seu propósito. Se necessário for, abrimos mão da nossa própria felicidade para fazermos a vontade de Deus. Essa é nossa essência, Deus acima de todas as coisas, no centro do nosso coração como dono e nós como filhos dependentes Dele. Esta é a receita para uma vida de sensibilidade. Para vivermos assim é necessário ter consciência de que Deus quer que sejamos felizes, mas não pelo nosso próprio meio.

Vejo que muitos dos "novos" cristãos são pessoas com boas intenções, porém sem muita noção do que evangelho realmente representa. O evangelho é a consolidação da boa notícia de que O Reino de Deus é chegado a nós através de Cristo. Jesus veio para nos libertar do Reino Satânico, convergindo a todo aquele que crê para o propósito eterno de Deus que é sermos iguais ao próprio Jesus. A redenção é apenas um meio para seu Propósito. Isso reforça e consolida a idéia de que não precisamos fazer qualquer coisa pela nossa felicidade, mas devemos deixar Cristo fazer tudo em nós, e isso inclui até a escolha de nossa felicidade.

Quero ressaltar que, Independente das vias, um dos principais objetivos de Satanás é tornar o cristão insensível a real vontade de Deus para humanidade, colocando-a em um plano superficial no coração do homem e confundindo as pessoas com o egoísmo de que precisamos lutar por nossa felicidade. Não se engane, todas as formas, minuciosamente ou não, o inimigo tentará minar nossa sensibilidade em Deus desviando o foco, trazendo falsas sensações que satisfaça apenas o momento. O desafio para sincronizarmos a vontade de Deus em nossa vida passa pela constante renuncia de nossa vontade para vivermos a vontade Dele. SANTIFICAÇÃO. A consolidação do ser Cristão separado, onde não há razão sem Cristo.

Servir a Deus é por esforço. Exige estar sensível e constantemente atento em nosso dia a dia não conformando (insensibilidade) com os odores do pecado, antes posicionando em relação à humanidade. E como crentes que somos crer é essencial. Sem fé é impossível relacionar com Deus. Sem fé é impossível agradar a Deus. Esta é a nossa forma de mostrarmos que ouvimos seu chamado, crendo e obedecendo através da fé

Essencial é estarmos sensivelmente "aptos" ao discernimento da voz do Senhor, entendendo que a mesma não se difere em nada daquilo que ele já propôs na Escritura Sagrada, antes, é simples e direta em suas mensagens.

2 comentários:

Raphael Rap disse...

O problema na realidade está no fato de que ser sensível a voz de Deus é um tanto quanto subjetivo. Pode ser somente sua palavra escrita ou há realmente uma voz audível? Tantas correntes, tantos ensinos que até para pequenas coisas a sensibilidade cristã se tornou complexa...

Daniel Moreira disse...

Raphael,

concordo sobre a complexidade. Não é fácil, mas apesar de não existir um formato, consigo encontrar uma linha nas ações de Deus com relação a humanidade. O primeiro passo que dei com relação a sensibilidade para discernir, foi conhecer e saber que Deus sempre fala de um jeito que considera e responde a incapacitação humana. Deus sabe tanto que os humanos são incapazes que Ele veio a Terra. Mas, minhas considerações na postagem são para dizer que o tempo que se determina a nós envolve uma atmosfera de insensibilidade. Neste mesmo tempo, multiplica os desejos oportunos que manipulam a idéia de uma voz de Deus que é escrava a vontade do homem

Brother, não saberia te responder se pedisse para ensinar como ser sensível, porque minha experiência não serve como norma para ninguem. Por isso, sem essa pretensão, posso apontar alguns caminhos que me ajudaram a encontrar a referencia para discernir a sensibilidade.

Cristo se mostrava apto a responder a todos com exemplos em suas parábolas, todos que se achegam a Ele, todos que reconhecidamente precisavam dele, todos os doentes e todos com precisavam ouvir o tipo de resposta que certificava a presença de Deus na humanidade.

Um exemplo são os cinco pães e dois peixinhos. Naquele momento Deus sabia que a maioria dos que seguiam Jesus eram compostos de pessoas que espontaneamente foram impactadas com o seu discurso e que não se preparam para o seguir naquele momento. Porém, não diferente da posição de pastor que Ele exercia, Jesus sabia que tinha que cuidar da necessidade das pessoas. Quando os discípulos voltaram com apenas 5 pães e 2 peixinhos, o "apenas" significava incapacidade diante da situação. Jesus queria que os discípulos procurassem alimentos em uma multidão despreparada para faze-los reconhecer algumas coisas:

1. Jesus queria mostrar uma lição de responsabilidade. Ou seja, se existe uma multidão nos acompanhando por causa de nossa palavra, somos responsáveis por ela. Em nenhuma momento vc verá Jesus fugindo deste tipo de responsabilidade.
2. Deus queria que os próprios discípulos reconhecessem a incapacidade diante da situação. A intenção é mostrar que nem tudo esta a base do bom senso, da racionalidade e no caso dos discípulos, da omissão.
3. Deus não oferece só palavras, mas a materialização da ação de sua mão. O milagre da multiplicação é um exemplo disso.

A intenção em te falar essas coisas é mostrar que a sensibilidade não é matemática, mas é plenamente exata se existir a leitura adequada das proposições que Deus nos deixou. Envolve perceber que Jesus se preocupou com humanidade antes da sua vinda, durante a sua vinda e para sua volta. E o caminho da nossa sensibilidade começa na identificação das situações que sensibilizaram Jesus. Desde do começo da humanidade até a sua volta.

Na realidade o post é um convite a reflexão para sensibilizarmos mais com o nosso tempo, reconsiderarmos os conceitos cristãos da Igreja primitiva, sermos mais criteriosos quanto a publicação de nossas experiências com Deus e buscarmos a sensibilidade necessária para entender e cumprir a vontade de Deus