terça-feira, 12 de agosto de 2008

Não existe mais ministério profético?

Vanessa, 21 anos, pergunta:

A paz do Senhor, pastor!

Hoje em dia está tudo tão banalizado, que eu não sei mais o que tem respaldo bíblico e o que não tem. Segundo o meu pai, o ministério profético acabou no Antigo Testamento e, hoje em dia, temos apenas o dom de profecia. Mas tem muita gente fazendo atos proféticos, louvor profético, intercessão profética... e, dizendo que todos nós somos profetas, ordenam: “Profetiiizaaaa!” Afinal de contas, o que é profeta, profecia e ministério profético?

Vanessa

Pastor Ciro responde:

Olá, Vanessa!

Ah, meus 21 anos! É bom saber (risos) que uma jovem como você se interessa pelo estudo da Palavra de Deus. Gostaria que soubesse que recebi todas as suas perguntas e procurarei respondê-las na medida do possível. E essa primeira é muito pertinente.

Concordo com você quanto à grande banalização da profecia, em nossos dias. Tudo é profético. Aqui no Rio de Janeiro certo grupo “evangélico” escalou o Dedo de Deus, na Região Serrana, a fim de ungi-lo. Para quê? Para declarar “profeticamente” que esse Estado é do Senhor Jesus! Há algum tempo, certa cantora disse ter usado botas confortáveis para pisar “profeticamente” na cabeça do Diabo, etcétera e tal.

Bem, deixando de lado modismos e efemeridades, você me fez uma tríplice pergunta — “Afinal de contas, o que é profeta, profecia e ministério profético?” — e merece uma resposta igualmente tripartida. No Novo Testamento temos dois tipos de profeta: o que exerce o ministério, isto é, o ofício de profeta (1 Co 12.29; Ef 4.11); e o que é usado com o dom de profecia (1 Co 14.29-32).

O dom de profecia está à disposição de todos os servos de Deus (1 Co 14.31); trata-se de uma capacitação sobrenatural do Espírito, concedida ao crente, em geral durante o culto coletivo (1 Co 14.26-30), a fim de que ele transmita uma mensagem de edificação, consolação ou exortação à igreja local (1 Co 14.3). Já o ofício de profeta diz respeito a um ministro, um pregador dado por Deus à Igreja (Ef 4.11-15; At 15.32; 21.10).

Segue-se que há dois tipos de profeta e, conseqüentemente, duas modalidades de profecia. O pregador chamado por Deus (1 Tm 2.7), ao expor a Palavra, é usado pelo Senhor para falar da parte dEle (1 Co 11.23). Mas o dom de profecia não requer chamada específica. Qualquer crente, desde que seja um “vaso preparado” (2 Tm 2.20,21), cheio do Espírito Santo (Ef 5.18) e revestido de poder do alto (Lc 24.49; At 1.8; 2.1-4), pode transmitir uma mensagem profética.

Quanto ao ministério profético, é importante fazer aqui um esclarecimento. O Senhor Jesus, ao afirmar que os profetas e a lei profetizaram até João Batista (Mt 11.13), referiu-se ao ministério profético nos moldes do Antigo Testamento. Ou seja, apesar de João Batista aparecer no Novo Testamento, ele teve um ministério similar ao exercido pelos profetas dos tempos veterotestamentários. Portanto, conforme demonstrei acima, existe sim ministério profético em nossos dias.

Quem ainda consulta certos “profetas” quanto a viagens, casamentos, sexo do bebê, etc. é porque ainda não aprendeu que há diferença entre os profetas (e os seus modos de profetizar) dos tempos do Novo e o do Antigo Testamentos. Hoje, não há mais a necessidade de se consultar profetas, como ocorria antigamente (1 Rs 22.15-28; Jr 37.16,17), pois temos a Bíblia completa (Sl 119.105; Rm 15.4; 2 Tm 3.16,17). Ademais, em nossos dias, o Espírito Santo fala como e quando quer, e não quando queremos que Ele fale (1 Co 12.11).

Diante do exposto, Vanessa, se você já está pensando em casamento — deve estar, pois as mulheres depois dos 20 já começam a imaginar que ficarão para “titias” —, não dê ouvidos a “profecias casamenteiras”...

A paz do Senhor!

CSZ


Extraído do Pr Ciro Responde

Um comentário:

francsco braga disse...

oi, sou francisco, tenho uma dúvida,um pregador, seja qual for a menssagem,estar oculpando o lugar de profeta ou podemos concidera-lo profeta se estiver transmitindo uma menssagem profetica?