segunda-feira, 5 de maio de 2008

Tentado pela Conspiração

Se tivesse um diário hoje seria possivelmente um dia pra lamentar. Situações que fogem do controle e o bem que tanto quero fazer, que diga Paulo de Tarso, este não tenho feito. Nada que me desabone como cristão. Apenas algo que incomoda, incomoda tanto que o destempero emocional se evidencia. Se me permitem ser indireto, vou descrever assim: Começa com uma insatisfação pessoal, ai vc encontra toda uma teoria da conspiração que te leva crer que de fato vc não vive um bom momento. Depois, sem aviso prévio, recebo uma noticia que confirma a tese, estou sendo perseguido. Perseguido por quem? Pela consequência da minha falta de atitude, ou pela consequência das atitudes dos outros. Se tivesse que resumir diria que a vida assemelha um pouco por aquela máxima de transito: Vc tem que dirigir pra vc e para os outros. Não falo dirigir a vida dos outros, mas estar preparado para as consequências dos mal passos da vidas dos próximos.

Confesso que na maioria das vezes não estou preparado. Não lido em meu dia a dia com reservas para não ser ferido. Cresci ouvindo que devemos amar o próximo, amar nossos inimigos, viver em comunhão, repartir nossos bens e outras instruções para os cristãos. Complicado dizer isso, mas de certa forma ao olhar humano esse amor incondicional é completamente utópico. Digo assim porque desenvolver uma atmosfera de amor com alguém que não te ama ou que não faça por merecer as vezes é sádico. Duro dizer, mas é a pura verdade. Ainda bem que a referencia que tenho não é a humana pois se não já teria desistido. O Amor que tem essa capacidade de compreender incondicionalmente, esse puro e genuíno amor desprovido de interesse é alcançado na Força do Senhor. O humano com sua ótica é incapaz de compreende-lo, quanto mais vive-lo. Porém, sem esquecer de um fator muito importante na minha reflexão, na maioria das vezes eu sou um humano agindo com tal. E ai?

Enquanto isso, fico aqui... Pensando... Orando... Chorando... Tentado a aceitar aquele conselho: "Devia ter complicado menos, trabalhado menos, ter visto o sol se pôr. Devia ter me importado menos com problemas pequenos, ter morrido de amor..." Tomais sobre vós o meu jugo, e aprendei de min, que sou manso e humilde de coração; e achares descanso para vossas almas- porque o meu jugo é leve é suave e meu peso leve

4 comentários:

bless disse...

Olha Daniel este texto é uma delícia de se ler,pq realmente tem dias que é assim,hahahahaha,mesmo passando por situações como esta imagino Deus rindo da gente,por que Ele mesmo ja veio aqui e deve ter passado por isto.Ainda bem que temos a graça que nos basta!!!!Sabendo crescer e aprender cada dia mais com as situações que Deus nos coloca.Um abraço.Fica na paz!!!Parabéns pelo teu blog....Daniela

bless disse...

Daniel, minha esposa leu esta postagem e fez questão que eu lesse.Te confesso que pirei neste discernimento a respeito das "barbeiragens alheias".Hoje mesmo eu estava comentando isto com ela, sobre o quanto nos atingem as tarpalhadas alheias. Muito boa!
Gostei muito e se vc me permite vou usar esta ideia como inspiração para uma postagem em meu blog.
Abraço e DEUS abençõe!!
Glauco

Daniel Moreira disse...

Glauco e Daniela, obrigado pelos comentários!

O que posso dizer é Ufa!! Pelo menos dois se identicaram!

Brincadeira a parte, muitos cristãos desprezam a nossa humanidade. Na verdade é que a nossa falibilidade é a maior prova do amor incondicional de Deus em nossas vidas. É nela que enxergo o quanto é necessário a mudança, o quanto somos dependentes de Deus, o quanto Deus nos amou...

O meu sentimento, um tanto melancólico, e de tentar achar onde ficamos exigentes demais, construindo formas e liturgias para se portar diante de Deus. Muitos acham que isso é maturidade. Na verdade só estamos contruindo mascaras de farisaísmo moderno.

Um abraço ao Casal Abençoado!

Neemias Rodrigues disse...

Profundo, cortante...e eu também me identifico. Mascaras de farisaísmo moderno foi ótimo.
Abraço