quarta-feira, 26 de março de 2008

Ex-Estrela Porno converte-se a Jesus Cristo e abandona a indústria do sexo

Uma ex-estrela porno abandonou a indústria do sexo, começando uma nova vida como estudante universitária e fazendo trabalho de secretariado numa igreja, anunciou um grupo que ministra a trabalhadoras do sexo.

Sophia Lynn, 24 anos de idade, ajuda agora na Celebrate Community Church em Sioux Falls, Dakota do Sul, EUA, onde ela trabalha enquanto frequenta a universidade. Esta igreja ofereceu a Lynn um lugar para viver, uma bolsa de estudos universitária, e um trabalho nos escritórios da igreja quando souberam que ela queria abandonar o negócio do sexo.

“Isto é como um sonho,” disse Lynn no seu novo lar em Dakota do Sul, segundo uma declaração feita terça-feira. “Espero não acordar deste sonho. Sinto que a minha vida foi salva.”

Lynn é oriunda de uma família Cristã e entrou para a indústria pornográfica apenas para arranjar dinheiro para se sustentar e ao seu bebé após um divórcio.

“Quando se tem cobradores a telefonarem de cinco em cinco minutos, começa-se a ficar desesperada,” disse ela à ABC News no ano passado.

Ela começou como modelo mas depois foi incitada a tentar o negócio porno quando fez 18 anos.

“Eu só pensava, ‘Porque estou a fazer isto?’ Mas depois lembrava-me de que tinha de pagar o carro.”

Lynn foi levada a Jesus Cristo e libertada da indústria do sexo com a ajuda de Heather Veitch, uma ex-stripper que se converteu e agora é uma evangelista neste meio. Veitch, que fundou o ministério “JC’s Girls” (Raparigas de Jesus Cristo), evangelizou Lynn durante cerca de um ano.

Veitch disse que muitas raparigas querem abandonar esta indústria, mas têm dificuldade em começar uma vida nova.

“É preciso o tipo de compromisso que estamos a ver na Igreja de Celebração Comunitária,” explicou a ex-stripper.

A Igreja de Celebração Comunitária afirma ter 550 membros e cerca de 2.200 frequentadores aos fins-de-semana.

Esta igreja ouviu falar de Lynn pela primeira vez quando ela surgiu numa reportagem da ABC News em Março do ano passado, e expressou a sua intenção de abandonar a indústria do sexo. A igreja entrou em contacto com ela e convidou-a para visitá-los, mas sem sucesso.

Foi então que Veitch voou até Dakota do Sul e passou um fim-de-semana a mostrar à igreja a dimensão e extensão da indústria do sexo na América. A ex-stripper disse-lhes que o primeiro passo para ajudar raparigas como Sophia Lynn era orar por elas, o que a igreja fez.

“Três semanas mais tarde, o meu telefone tocou e era Sophia,” recordou Veitch. “Ela disse-me que estava pronta para fazer uma verdadeira mudança na sua vida e precisava de ajuda autêntica. Eu contactei o pastor Loy da Celebrate Community Church e disse-lhe que Deus tinha feito a sua parte, por isso o que iríamos fazer agora?”

No dia seguinte, às 6h da manhã o pastor Keth Loy telefonou a Veitch e disse, “Estamos prontos para avançar.”

Sophia Lynn, que na altura estava a viver em New Jersey, seis horas depois estava num avião para uma vida nova em Dakota do Sul.

"Não vamos brincar mais à igreja," disse Loy. “Nós vamos ser uma igreja."

A fundadora das JC’s Girls encoraja as igrejas a seguirem o exemplo da Celebrate Community Church ajudando prostitutas a abandonar a prostituição e a começar uma vida nova.

“Eu chamo a este programa ‘One Church For One Girl’,” disse Veitch.

No mês passado, foi lançado um novo documentário – “The Pussy Cat Preacher” – uma crónica da viagem de Veitch que mostra como ela foi desenvolvendo o ministério JC’s Girls. O filme mostra a sua luta inicial para conseguir a aceitação das mulheres na sua antiga igreja na Califórnia e mais tarde a forma como as conquistou e até as trouxe a clubes de strip para ministrarem a dançarinas.

Veitch reside agora em Las Vegas onde a sua missão é apoiada pela Central Christian Church.

Fonte: Notícias Cristãs

2 comentários:

Neemias disse...

Isso é ser sal da terra e luz do mundo! Saber de notícias como essa me enche de esperança!

Daniel Moreira disse...

EU tbem!
Muito bom ver isso! Só tinha que ser mais constantes notícias como essa