quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Polemica: é proibido pensar - João Alexandre

O segundo é com as imagens que o autor do vídeo interpretou. PS.: O autor do vídeo não é João Alexandre.



Procuro alguém pra resolver meu problema,
Pois não consigo me encaixar nesse esquema,
São sempre variações do mesmo tema,
Meras repetições..

A extravagância vem de todos os lados,
E faz chover profetas apaixonados,
Morrendo em pé,rompendo em fé dos cansados...
Que ouvem suas canções...

Estar de bem com a vida
É muito mais que renascer...
Deus já me deu sua palavra
E é por ela que eu ainda guio meu viver!

Reconstruindo o que Jesus derrubou..
Recosturando o véu que a cruz já rasgou..
Ressuscitando a lei, pisando na graça,
Negociando com deus!
No show da fé milagre é tão natural,
Que até pregar com a mesma voz é normal..

Nesse evangeliques universal
Se apossando dos céus...
Estão distantes do trono,
Caçadores de deus ao som de um shofar.

E mais um ídolo importado
Dita as regras para nos escravizar:
É proibido pensar!!!

20 comentários:

Xandi disse...

Assisti aos dois vídeos e, sinceramente, eu já entendi a mensagem da música, antes de ver o segundo, e suas jogadas de palavras.
Algumas coisas ditas são realmente verdadeiras, porém outras são ditas sem conhecimento de causa.
Que a música gospel no Brasil é um "imita-imita", isso todo mundo já sabe, mas ainda existem aqueles que adoram e que louvam a Deus, aos quais não devemos julgar apenas pelo fato de não gostarmos do que eles cantam. Não acham?
Se por um lado existem algumas verdades, por outro, a mensagem da música pouco edifica e mais ataca.

Daniel disse...

No histórico das canções, ele sempre trouxe a critica sobre situações que precisavam ser repensadas no seio da Igreja Brasileira.

Isso é louvável, já que a maioria das pessoas não posicionam por medo. Meu compromisso ético me impede de tecer qualquer comentário sobre pessoas, mas tbem me obriga a publicar, questionar, apontar frutos maus e duvidosos. De qualquer forma a minha intenção é reflexão destes temas para que juntos criemos fundamentos.

O que vem de Deus escandaliza a religiosidade, expõe a nossa auto-suficiência, quebra barreiras emocionais e por ai vai...

O que vejo na proposta da canção esta no livro de Ezequiel 33:6 "Mas se, quando o atalaia vir que vem a espada, não tocar a trombeta, e não for avisado o povo, e vier a espada e levar alguma pessoa dentre eles, este tal foi levado na sua iniquidade, mas o seu sangue eu o requererei da mão do atalaia."

Ele se posicionou e fez critica a todos os aqueles que acreditam que um ministério bem sucedido são aquele que tem a fama, que te, um programa de televisão, que opera sinais e maravilhas, que vende CD e mesmo que apregoa um avivamentos de todos os tipos.

(Gálatas 1:10). "Pois busco eu agora o favor dos homens, ou o favor de Deus? Ou procuro agradar aos homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo"

Nisso vejo que o Servo do Senhor não pode ter medo de posicionar. A musica é mais uma "bola dentro" porque mostrou que ele está atento ao real momento da Igreja Cristã Brasileira.

Agora se a Rit, Rede Super e outras boicotá-lo, só estão atestando que ele tinha razão. Estas instituições não devem sentir-se ofendidas, mas aproveitar o momento para reflexão. O que vemos hoje são servos do Senhor se prestando o papel de clone de seus comandados e até mesmo ídolos.

Na minha leitura o momento é pertinente e a musica está na medida certa para que "os criticados" vejam que o povo de Deus esta atento ao que está acontecendo.

http://admoestacaohumilde.blogspot.com/ disse...

É,realmente NECESSITAMOS refletir bem mais e utilizar o discernimento que VEM DE DEUS para nos auxiliar a andar na Verdade,contudo penso eu que(na minha pequenez,sabendo que nao sou ninguem)fatos como estes geram mais contendas e dissençoes do que aprendizado ao corpo de Cristo,que sem duvida nao podera permanecer saudavel se existirem divisoes em si mesmo,já que todo reino dividido cai(é biblico nao é?).Nao pertenço a nenhuma das denominaçoes citadas explicitamente,mas ainda que sinais nao sejam atestados de que se esta agradando a Deus,deveriamos todavia meditar que ninguem opera nada de si mesmo,dado que TODO poder VEM de Deus,e nao há homem que possa salvar,libertar,curar,convencer o homem do seu pecado,quebrantar um coraçao,etc, logo que deixemos para Deus a tarefa de no Grande Dia colocar a prova a obra de CADA UM,inclusive as nossas !

Daniel disse...

Vamo la

Não forço a ninguem a ter os mesmos interesses que os meus, mas norteio o blog naquilo que acredito que seja relevante para Igreja do Senhor na Face da terra.

Vou utilizar o significado do seu blog. A palavra “admoestar” descreve bem o que é este blog. Ou seja, sem demagogia e modéstia, ensinamento, a exortação e a correção. É isso, nem mais e nem menos.

Quanto ao João Alexandre. Ainda bem que existem pessoas que enxergam que nem tudo é esse Alice no país das maravilhas. Não há ofensividade, apenas ha ligação com essas pessoas porque elas de fato existem. E digo mais, respeito as pessoas, mas não aceito os seus frutos se eles não assemelham a Jesus. Isso não quer dizer que seja juízo infamatório. Apenas mostro aquilo que existe, que merece a nossa atenção propondo uma reflexão que vai te fazer.

Vc ja parou para ver a quantidade de atrapalhadas em tão pouco tempo, Vamo la... A denuncia do Caio Fábio sobre o Silas, com fundamento ou não; A carta do Pastor Jorge;

1 - Prenda-nos se for capaz - O casal Hernandes foram presos em 8 de Janeiro, no aeroporto de Miami, tentando entrar nos EUA com US$ 56.500, tendo declarado apenas US$ 10 mil. Alguns dólares estavam escondidos dentro da Bíblia. No Brasil o casal responde processo por lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e estelionato.

2 - De "MALA" cheia - Bíblia de estudo: Batalha Espiritual e Vitória Financeira, vendidas por 10 x R$ 11,94 (cada), ou com 25 % de desconto em duas de R$ 45, 50 (cada). Silas Mala'faia faz declarações alegando que no fundo todos querem dinheiro, logo estariam sendo hipócritas ao critica-lo pelo lançamento da Bíblia. A Bíblia é vendida em várias cores, e contém o símbolo do dinheiro indicando os ver. “chave” para o “estudo” sobre a tal vitória financeira.

3 - Quem quiser que cante "Restitui" - Alguns componentes do Toque no Altar deixaram o grupo para montar um outro ministério chamado "Trazendo a Arca". Entre esses componentes estavam os dois vocalistas: Davi Sacer e Luiz Arcanjo.
A rebeldia dos integrantes fez com que Maurício Soares, Diretor Executivo da Toque no Altar Music, expusesse um comunicado no site da “igreja” deixando CLARO os contratos jurídicos dos “adoradores”. Estas pessoas, de acordo com contrato juridicamente firmado com o Toque no Altar Music estão legalmente impedidas de:
A - participarem de eventos, mesmo que sob outro nome artístico diferente de "Toque no Altar";
B - interpretarem as canções do “Toque no Altar”;
C - participarem de programas de Rádio, TV ou outros órgãos da imprensa e,
D - utilizarem o nome e/ou a marca “Toque no Altar” para quaisquer fins, mesmo que para a mais singela referência; l

4 - Lion mania - “Um cântico espontâneo sobre o Cordeiro e o Leão marcou para sempre a minha vida”. Essas foram às palavras de Ana Paula Valadão, líder do Diante do Trono, após uma apresentação em Anápolis, em maio desse ano onde ela andou de 4 dizendo imitar um leão. Ainda em sua “lion mania”, APV causa polemica ao declarar em seu Blog que havia dado um leão de madeira ao seu pai, e que o presente ministrava só de olhar, criticada por alguns a “pastora” simplesmente apagou sua declaração do Blog, só alguns dias depois voltou a falar no assunto, sem muito “sucesso”. APV, tb declarou que pela primeira vez compôs uma canção para Satanás, no seu show no RJ ela encena uma coreografia onde “luta” com o diabo, fez várias declarações em um dos Blogs sobre a gravação no RJ onde distribuiu falsas profecias em relação ao local da gravação.

ETC e tal...

Daniel disse...

e contra isso que luto... Os mal testemunhos que as pessoas tem dado. Não é linchamento não!!

Amo a todos eles e quero que eles mudem...

Luiz Thomé disse...

"Sobre a Música do João Alexandre...

A crítica não pode ser dissociada da unção e da sabedoria bíblica (divina) e ética(humana). A Palavra de Deus já nos orienta que a palavra branda desvia o furor - o que é incompatível coma letra e, pelo que percebo, com a intenção da música: chocar... levar è reflexão de maneira escandalosa.... ou será que no meio dos filhos de Deus o "fim justifica os meios"? Creio que não. Temos ainda que atentar para o perigo de escandalizar os irmãos na fé (não vou detalhar pois permitiria outro debate). A palavra e genuina obras de Deus se estalecem e se perpetuam assim:"nem por força nem por violência, mas pelo meu espírito", ou seja, sem agressão. Penso também nos frutos (pelos frutos conheceremos as árvores). Quase tudo o que foi criticado apresenta frutos verdadeiros de boa fé e conversão (claro, sempre haverá algum erro, graças a Deus). Lembro-me também das palavras de Gamaliel:" O que é de Deus permanece", logo... Diferentemente de outras musicas do mesmo autor, não enxergo propósito envangelístico e de edificação... talvés um desabafo pessoal e parcial... somente."

Daniel disse...

Ola Grande Luiz Thomé!
A verdade é que este tema tem divido opiniões. Vamos a eles:

Sou amante da música e gosto de visualizar sobre a Igreja sem a interferência dos meus gostos. A letra desta musica esta disposta a apontar algumas irregularidade sobre o Ponto de vista do autor. Essa é a idéia daquele que se considera Profeta na atualidade.Ou seja, tem uma função parecida com a do Atalaia. Ezequiel 33:6 "Mas se, quando o atalaia vir que vem a espada, não tocar a trombeta, e não for avisado o povo, e vier a espada e levar alguma pessoa dentre eles, este tal foi levado na sua iniquidade, mas o seu sangue eu o requererei da mão do atalaia."

Outro ponto é que dependendo da situação, o escândalo é inevitável. Os fariseus e as pessoas ficaram escandalizadas por vários atos de Jesus. Para vc ter idéia, sábado era algo que no contexto da época sagrado. Chega um sujeito que começa a ensinar, curar e trabalhar no Sábado; ainda por cima diz que é Filho de Deus, o mesmo Deus que criou o Sábado. Imagine a Polemica!! O Alvoroço!!

Quanto a ética por ser humana, ela construída sobre valores corruptíveis e limita a ações que propriamente foge do chamado que a Bíblia nos traz. Pense! A ética humana é humana, e junto com os homens herdou a atmosfera do pecado. Agora, como integrar a sabedoria divina com qualquer coisa que venha dos Homem? Respondo através deste texto: Pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para confundir os sábios; e Deus escolheu as coisas fracas do mundo para confundir as fortes e Deus escolheu as coisas ignóbeis do mundo, e as desprezadas, e as que não são, para reduzir a nada as que são; para que nenhum mortal se glorie na presença de Deus. I Cor 1:27-29 Ou seja, no Evangelho não pode existir mérito humano. A moral, a ética, a racionalidade e qualquer outras coisas de característica humana, não tem conteúdo argumentativo que discuta com as coisas de Deus. “Pois os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. Assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos”. Is 55:8, 9

O que vc precisa pensar é que se vc chegar no meio de um monte de autoridade e começar a questioná-los sobre erros, ou pregar e fazer algo completamente diferente daquilo que se pensa, pessoas tbem serão escandalizadas. Porque o nosso discurso não é entendido sobre a ótica humana que relativiza comportamento seguindo normas de uma sociedade que é Anti-Cristã.

Tbem exemplos de escândalos que são apenas entendidos na ótica do versículo de Isaías 55:8, 9. Davi escandalizou quando dançou; Moisés escandalizou quando matou; Jaco escandalizou quando enganou seu irmão. Exemplos de escândalos bíblicos que são resultados de um proposito divino. O problema não é o escândalo quando há propósito na mensagem. O que vem de Deus escandaliza a religiosidade, expõe a nossa auto-suficiência, quebra barreiras emocionais e por ai vai...

Quanto ao João Alexandre:
Ele se posicionou e fez critica a todos os aqueles que acreditam que um ministério bem sucedido são aquele que tem a fama, que tem um programa de televisão, que opera sinais e maravilhas, que vende CD e mesmo que apregoa um avivamentos de todos os tipos. Na verdade, manter um ministério nesses moldes é muito fácil, o único trabalho é fazer "cosquinha no ego" de quem supostamente tem o poder. (Gálatas 1:10). "Pois busco eu agora o favor dos homens, ou o favor de Deus? Ou procuro agradar aos homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo"

Fim não justifica os meios.
Concordo. Mas criticar não se trata de falar mal, mas de não esconder erros tão relevantes. Relevante por se tratar de igrejas que representam referencias no meio Cristão. Imagine alguém sendo guiado por referencia errada. Basicamente a critica é feita a falta de percepção racional, profética e até poética a tudo que esta ocorrendo na Igreja nos dias de hoje. Pessoas que não visualizam o crescimento e desenvolvimento da Igreja como Representante do propósito de Deus para humanidade. Ministérios sem justificar a sua existência dentro dos padrões bíblicos. Na verdade apenas somam a uma igreja que se corrompeu aos valores humanos e que a cada dia mais perde a sua ferramenta mais eficaz para evangelização da humanidade que é seu testemunho.

Sem agressão.
Quando Jesus chicoteou os comerciantes na beira templo significava agressão? Quando Deus pesou a mão sobre o filho de Davi? Sabemos que não! Usando o versículo, posso dizer que o contexto é diferente do que vc quiz dizer ai... Esse versículo de Zacarias 4:6 estava endereçada a Zorobabel com entendimento um pouco diferente, mas de qualquer forma a ação pelo Espírito é representado pelo autoridade do próprio Anjo do Senhor dizendo: Não faça na sua mão, mas deixe que eu faço para vc... e saberás que o Senhor dos exércitos me enviou a vos.

Outro ponto é que não há agressão ao denunciar. A geração de Samuel depôs Saul. O profeta Natã exortou Davi denunciando. Jeremias, Ozéias, Daniel e outros profetas denunciaram irregularidades. Nossa distinção dos Católicos Apostólicos "Romanos" nasceu de um Espírito Protestante. Em outras palavras, fazemos um testemunho público de objecção. E tbem se trata de defender a verdade do evangelho de Cristo (Fp 1.16; Gl 1.8).

É interessante frisar que não houve citação de pessoas e sim trocadilho. Penso eu que se ele não fizesse assim, poucas pessoas entenderia a intenção da canção. De qualquer forma nos levou a reflexão e uma oportunidade de dialogo sobre a música.

O meu medo

Falar de Deus é essencial: “como crerão, se não ouvirem?”. Tão importante quanto falar sobre Deus, no entanto, é falar a partir de Deus; e quando falamos a partir de Deus, não precisamos, necessariamente, usar o nome de Deus – (extraído do post " Deixa ir meus músicos") Na verdade precisamos falar com ótica Dele para humanidade.

O meu medo consiste na impressão de que falamos demais de Deus sem conhece-lo ao ponto de tomar seu nome em vão. Banalisamos a existência de Deus propondo formas e formatos em nossas liturgias que o próprio Deus quebrou. João 4 fala acerca disso. Agora imagine, Deus precisa ser caçado? Não! A Bíblia relata que o véu se rasgou e não ha mais nenhuma separação de acesso ao lugar santíssimo. E o que acontece? Acontece que muitas bandas, grupos musicais padronizam a um jeito de conduzir pessoas a adoração como se existisse uma sistema; E isso é rescosturar o veu que foi rasgado.

O julgamento.
Não houve juízo infamatório. Apesar dos trocadilhos, o que houve pode ser entendido dentro do Espirito Protestante sobre uma objeção que tomou traços de denuncia, mas que não citou nomes. Pois bem, a Bíblia orienta a não fazer juízo de pessoas, mas de começarmos o julgamento dos frutos da Casa de Deus. "já é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus" (1 Pe 4.17). Também traz um alerta para que não sejamos enganados Tomem cuidado para que ninguém engane vocês. Mateus 24:4.

De qualquer forma eu respeito a opinião do amigo e irmão, mas alerto que no minimo o que foi proposto é para se pensar. Os frutos são julgados não pela fama, ou pelo gosto e simpatia, ou qualquer outra coisa; Devemos julgar as coisas sobre a ótica cristã.

Anônimo disse...

eu como cristã, gostaria entender em que, o reino de Deus foi glorificado em essas palavras. Assisti aos dois videos, e ouvi a entrevista do cantor joao alexandre que o tempo todo tendo afirmar que nao quiz se direcionar especificamente a ninguém, o que fica muito claro nao ser verdade na letra da musica. Não é proibido pensar, é proibido pensar e nao assumir seus pensamentos.

Daniel Moreira disse...

Irmã Anônima!

Assisti a mesma entrevista. Parece que ele ficou com medo de assumir sua "tretas". Ninguem é bobo ao ponto de não enxergar que a canção de fato foi direcionada para várias instituições e ministérios.

De qualquer forma e posso dizer que apesar dele não ter assumido, eu assumi a reflexão por encontrar uma ótima oportunidade de crescimento para nós. De fato mta coisa que descreve na canção vem de encontro a uma realidade doentia, e isso, não podemos fechar os olhos.

De qualquer forma esteja sempre por aqui e faça diferente dele, se assuma...

Um abraço

Cris Maria disse...

Olá!

Encontrei o teu blog meio que por acaso, pois curto o trabalho do João Alexandre há anos, mas somente há 3 dias soube do novo cd e a polêmica que este causa e causou. Na busca por mais informações e opiniões, cheguei a este blog. Gostei muito, Daniel, da tua imparcialidade para comentar e gostaria de destacar alguns pontos a tudo isto que têm sido discutido no teu blog.

Primeiramente, criticar segundo o dicionário tem diversos significados que não é só traçar um julgamento. Dentre eles, quero destacar o que se adequa a nós, cristãos, e que encontramos respaldo bíblico que é examinar. A bíblia nos diz para examinarmos tudo e retermos o que é bom!

Quanto ao teu comentário de ter havido medo por parte do João Alexandre em assumir as tretas. Bem, também ouvi a entrevista, comprei o cd e vai...
Em todo tempo, você afirma que a música é para trazer as pessoas a reflexão, sendo desta forma, o fato dele não citar ministérios, dá respaldo a intenção dele que é levar as pessoas a reflexão e não criar uma guerra pessoal, pois é o que tornaria. Seria perdido o foco, realmente acredito que ele foi muito sábio em não fazê-lo.

Sobre a questão de criar polêmica, endossando o que você escreveu. Jesus não criou pouca polêmica não,
criou muita polêmica. Não foi atoa, e por um motivo fútil que o povo quis matá-lo e o fez. Um outro exemplo disso, além daqueles que você já citou, é uma linda frase de Jesus que adoramos falar aos pecadores: "Jesus é o caminho, a verdade e a vida!". Quando Jesus diz estas palavras acerca si mesmo, ele simplesmente estava dizendo ao povo Judeu que Ele é as três portas do Templo que levam a presença de Deus, principalmente a última onde só um sacerdote preparado poderia entrar. Olha que insulto ao templo, a tradição, ao povo de Deus naquela época, na verdade ao próprio Deus!!! Que arrogância a dele, que insensatez, já que poucas pessoas tiveram acesso aquele lugar.
Parece muito bonito, mas foi de uma ousadia mais do que necessária suas palavras que hoje não possuem o mesmo peso daquela época, pois hoje soam suaves e como uma linda verdade a desfrutarmos.

Bem, o que vejo na obra do João Alexandre já que conheço os cds
dele há bastante tempo, é valorização do simples, e na verdade, nós que nos entitulamos "povo de Deus", pois Deus nos olha como todo e não como partes certas e erradas, buscamos milagres, dinheiro, fama, poder e esquecemos do mais importante que é uma palavra muito simples chamada relacionamento. Este é o grande chamado de Deus para nós a todo o instante! Quando ele toma a decisão de mandar seu filho para morrer por nós, Deus não estava pensando na nossa casa, no nosso carro, na nossa saúde, o principal motivo residia na reconciliação, na retomada de uma relação quebrada por um erro. E que na verdade, todo o resto ocorre como fruto de um relacionamento e não o contrário. Relacionar-se é conhecer e ser conhecido, é ouvir e falar, entre outras coisas tão simples que são esquecidas na nossa busca egoísta de satisfação própria. Jesus diz que a vida eterna é esta que te conheçam a ti só, como Deus único e verdadeiro e a Jesus Cristo, a quem enviastes (Jo 17:3). Conhecer é fruto de relacionamento.

Observe o que o João fala na letra: "Estão distante do trono, caçadores de Deus". Você só caça o que você não tem, você só procura o que você perdeu ou não sabe onde esta! E se você caça, significa que você não está próximo, ou não está vendo. E como então você diz que está diante do trono quando você está caçando
Deus? É um paradoxo!

Ainda sobre a letra, o João diz: "Estar de bem com vida é muito mais que renascer". Segue-se aí mais uma afirmação ao relacionamento que gera frutos de vida! Eu renasço em Cristo, mas tenho que seguir numa caminhada relacional íntima que me levará a um conhecimento profundo dele, que vai gerar em mim o carácter dele! Precisamos entender que Renascer não é um fim, é o começo!

Sem citar nomes, posso falar de toda a letra com o propósito de reflexão, sem que pessoas sejam feridas e ofendidas por isto! E na verdade, aquela frasezinha que sempre ouvimos, né?

A carapuça serviu?

Então acho melhor rever os seus conceitos!!!

Que Deus continue abençoando a todos!

Cris

Daniel Moreira disse...

Eita Cris! Seja Bem Vinda e Volte Sempre.

Eu não tenho muito o que acrescentar ao que vc disse não, apenas que realmente houve segundas intenções. E mesmo que o João não assuma, não diminuiu a ótima oportunidade de reflexão a todos nós.

Abraço

Cris Maria disse...

Olá, Daniel!

Já retornando e obrigada pela resposta!

Bem, gostaria de reafirmar que eu não disse que ele compôs a música sem segundas intenções.

O que na verdade eu afirmei foi que citar nomes tornaria tudo uma guerra pessoal, e isto só se tornaria mais um daqueles casos que já conhecemos de trocas de farpas que não dá em nada. Vamos assumir, o João é inteligente!

Sabe, a grande verdade é que nós seres humanos gostamos de sentar na arquibancada e assistir a uma boa briga! O mesmo sentimento que levavam os homens a assistirem os gladiadores no passado, é o mesmo sentimento que nos leva a querer assistir uma boa troca de acusações nos dias de hoje.

E aí, eu te pergunto: com que intenção o João Alexandre faria isto???

Não perderia o foco da música, se ele citasse os nomes que o inspiraram a compor tal música???? Não se tornaria uma guerra pessoal???

A questão, e isto é minha opinião pessoal pois já estava meditando sobre determinadas questões há algum tempo e bem antes de conhecer a música, estão nos conceitos por vezes paradoxos que cantamos, pregamos e oramos.

Estão nas declarações que fazemos sem consciência do que sai da nossa boca, mas fazemos porque fulaninho é fulaninho e ele fez, eu faço também!

Estão nos pedidos em nossas orações feitos sem consciencia das conseqüencias, só porque fulaninho ou beltraninho fez, eu faço também!

E muito antes de saber sobre a música do João Alexandre percebi o quão é difícil antes de cantar algo, falar algo ou orar sobre algo, é pensar antes e chegar a conclusão de que determinadas coisas não devem ser praticadas, ou mesmo faladas, ainda que fulaninho ou beltraninho do ministério tal tenha feito.
E quanto nos torna alvo de criticas quando vamos contra um ministério reconhecido, pois a maioria das pessoas pensam que se é reconhecido, tudo que é dito ou feito por eles é certo! Então entendo muito bem quando o João diz que é proibido pensar! E eu acrescento que é proibido pensar, pois é proibido discordar!

Sabe, além de tudo que disse, ainda acrescento que quando você gosta de um grupo, ministério, você se identifica com eles, então a música pode se estender a muitos que se identificam com estes ministérios que também inspiraram a música, para levá-los a meditar se o que eles fazem realmente é inspirado por Deus e para Deus ou é uma mera imitação, pois se for, Deus não receberá.

E para colocar um pouco de pimenta no teu blog (rs):

Jesus diz em sua palavra em João 4:14, que aquele que beber da água que ele der nunca terá sede! Então porque eu canto: "Tenho sede de ti, Tenho sede do teu perdão!"?

Isso é música para crente ou não crente?

Por que eu canto: "Tenho sede de ti, do teu grande amor, sede da tua presença, Senhor"?

Então minha sede não foi saciada?

E se ele diz que após beber, além de não ter mais sede, também vai fluir de mim rios de águas vivas, como posso pedir a presença dele? O fluir do rio não significa a presença dEle em mim?

Que Deus continue abençoando a todos!

Cris

Daniel Moreira disse...

Ola Cris, concordamos sobre quase tudo. Porém as citações "indiretas" do João e a usabildade de sua canção foi levada a associação de pessoas e Ministérios existentes, independente de proferir juízo diretamente, ele provocou essa "onda de rumores".

Em um dos comentários, eu disse assim: "É interessante frisar que não houve citação de pessoas e sim trocadilho. Penso eu que se ele não fizesse assim, poucas pessoas entenderia a intenção da canção. De qualquer forma nos levou a reflexão e uma oportunidade de dialogo sobre a música." Penso exatamente sobre este ângulo, que o joão não citou nomes, porém teve a intenção - resultado final que se pretende atingir.

Em uma das citações do Aldous Huxley, ele qustiona "Qual é mais real: você como você mesmo se vê, ou como os outros o vêem? Você em suas intenções e seus motivos, ou você no produto de suas intenções? Você em suas ações, ou você no resultado de suas ações? E de qualquer maneira, quais são suas intenções e seus motivos? E quem é o 'você' que tem intenções?"

Citei para ilustrar, que depois de ouvir o áudio, fiquei com dúvidas sobre sua intenção na entrevista. Ficou parecendo que o mesmo temeu retaliações por assumir que de fato ele teve intenções (sobre a música), mesmo que não tenha citado nomes diretamente. O que ele quis dizer usando indiretamente nomes que identificam ministério, denominações, livros e por ai vai?

João alexandre é muito inteligente e bom no que faz, só que com a repercussão de toda história e depois desta "reportagem de esclarecimento", ele deixou uma outra impressão. A impressão de que temeu as conseqüências de suas próprias "tretas". O problema de ser indireto é que deixa margens para se pensar qualquer coisa desde que tenha coerência. E digo mais, eu observo o contexto de tudo e reflito, e nesse caso assim como na canção, ele foi indireto deixando margens para se ter várias impressões.

E por isso estou com dúvidas quanto a sua intenções.

No mais esteja sempre por aqui, e pode escrever "sem dó" mesmo que eu leio tudo e respondo assim q puder.

Cris Maria disse...

Olá, Daniel!

Que bom que você lê tudo, por que eu escrevemo mesmo é sem dó. Na verdade, eu adoro me expressar na palavra escrita.

Começo respondendo sua última pergunta: minha intenção é o diálogo. Gosto de ver uma idéia e um conceito e pensar sobre. Ouvi outras opiniões, expor a minhas e acredito que podemos crescer em conhecimento quando nos propomos a ver as diferenças, que podem ou não nos levar a um denominador comum. Pra resumir utilizo o que você falou: “ver tudo e refletir!”

Quanto ao João Alexandre, concordo quando você diz que ele deixou margem, e concordo com o que você disse quando você cita Aldous Huxley.

Mas minha opinião bem pessoal, que acho que é o ponto onde acabamos discordando, é que eu não acredito que ele tenha fugido das tretas dele.
Se você me falar que na entrevista, ele fala de certos termos de uma forma irônica, eu concordarei contigo. Mas o vejo questionando termos e não pessoas, colocando em xeque estes termos que se tornaram nomes e mexeram com todos que admiram ou possuem estes nomes em seus ministérios.

E para dar base para isto, quero relembrar o que ele fala na entrevista com minhas palavras, já que não lembro exatamente como ele falou, e onde estou agora não tenho como acessar o “ You Tube” para poder ouvir frase exata, mas foi algo mais ou menos assim: “Eu não tenho culpa se as pessoas colocam em seus ministérios termos que são usuais no dia a dia!”

Sabe Daniel, já falei isso pra você, mas volto a repetir, se você parar para ver nossas músicas, ver muitas das coisas que falamos, cantamos, e oramos em nossas igrejas. Se você parar para meditar no que significam. Digo você, mas é um você generalizado, eu, você, todos. Se todos nós pararmos para meditar, se ainda não fazemos, nossa vida relacional com Deus não será a mesma.

Eu não tinha o costume de meditar, no sentido de me aprofundar no que aquilo significa pra mim, no que aquilo que significa para o Pai e o que bíblia tem a me dizer sobre isto ou aquilo antes de cantar as canções de determinadas pessoas, porque simplesmente eu as respeitava. Para aqueles que cantam em ministérios de música então, isso se torna até meio que automático. E o que a gente esquece é que ainda que venha de um ministério já consolidado, não significa que eles não cometerão erros em suas letras ou condutas, não significa que eles não podem cometer erros bíblicos e também não significa que porque ele pediu, orou, declarou algo, eu também tenho que fazer o mesmo.

Aqui eu digo: É MUITO NECESSÁRIO PENSAR!

Quero lhe falar algo sério, muito sério, Daniel!

Sabe, hoje é comum esquecermos que fazemos parte de um exército, que somos soldados. E se somos soldados, significa que estamos numa guerra. Esquecemos quem somos e esquecemos também que temos um adversário muito astuto, e esquecemos também que quando ele tentou adão falou algo suave aos ouvidos, quando ele tentou Jesus, simplesmente ele usou a palavra. Quando ele usou a boca de Pedro, é bom frisar que Pedro era um discípulo e amado, ele falou algo suave e aparentemente inofensivo e com uma aparência de cuidado. E com Paulo, que algo tão coerente: “Varões, Servos do Deus Altíssimo!”.

Precisamos levar mais a sério simplesmente tudo, cada detalhe, viver na dependência do Espírito Santo, afinal é Ele quem nos trará o discernimento de todas as coisas e viver a vida cristã normal, como homens espirituais que somos. E o João fala isso na entrevista de uma forma muito linda, Jesus foi o nosso maior exemplo disso, na simplicidade e naturalidade, ele viveu o sobrenatural. É simples com aparência de paradoxo, e por causa disso, a gente procura sempre complicar.

Em nosso meio tem que haver comunhão sim, tem que haver concordância sim, mas nem por isso o meu compromisso e relacionamento com Deus deixam de ser algo pessoal.

Para te dar um exemplo disto, vou te contar um caso que ocorreu comigo, e esta é uma letra de uma entre muitas canções.

Fui visitar uma igreja e lá, eles cantaram uma canção que no coro se pedia o peso da glória de Deus, e o resto da letra em nada falava o que significava esse pedido, e eles cantavam com muita alegria, como um cântico de júbilo. E nesta oportunidade, fiquei meditando sobre o que significa ter o peso de gloria, pois lá em II Cor. 4:17 diz que o que produz o peso eterno de gloria mui excelente são as tribulações.

Então vamos lá! Eu quero ter o peso de glória, mas será que eu quero passar por tribulações?

Porque se eu quero o peso de glória, mas não quero as tribulações, então não terei o peso de glória.

Agora quantos ali que cantavam esta canção e sabiam que o pedido que faziam na canção tinha como conseqüência as tribulações, pois somente esta poderia produzir o que eles pediam?

Da mesma forma, vejo o João Alexandre questionando os termos, sejam os que possuem este nome em seus ministérios ou os que utilizam estes termos em suas músicas ou os que se identificam com as mesmas.

O que é realmente um cristão viver diante do trono? Uma moda? Um estilo de vida? Um grupo que você acha que vive diante do trono? Eu não estou questionando o grupo, eu questiono o termo!

Show da fé. Será que a fé faz Show? O que bíblia diz sobre a fé? É assim que devemos utilizá-la?

Falar com a mesma voz? É fruto de que? De admiração? Porque você acha que falar daquele jeito vai levá-lo a ter a mesma unçãô? Os mesmo dons? Ou o mesmo carisma ou o mesmo público?

Sabe, Daniel, eu que sou de uma igrejinha de 400 membros, entendo o que o João que é um cantor e compositor conhecido e reconhecido quer dizer em sua canção, e muito antes de conhecer esta canção, este é o estilo de vida que eu tenho procurado viver.

Tenho procurado não ser levada pela maré, um estilo de vida buscando declarar a Deus, cantar a Deus, orar a Deus sobre coisas que eu tenha consciência em mim para que saia em verdade dos meus lábios e consciência e ciência do que a bíblia diz a respeito para que eu não vá contra a palavra e automáticamente contra o Pai.

E posso te dizer, viver assim numa igreja de 400 membros é difícil. Quando você diz que há um erro grave numa música de um grupo, e você não quer dizer que este grupo conhecido e reconhecido está errado, mas sim que aquela determinada letra não está em acordo com a palavra, você é vítima de ataques, pois é como se eles fossem infalíveis. Ou mesmo quando você diz que determinada canção você não tem condições de cantar.

Aqui é a parte do: É PROIBIDO PENSAR!

As pessoas têm muita dificuldade de entender que questionar termos, não é questionar pessoas. Questionar termos, não é denegrir a imagem de ninguém.

Afinal, admirar alguém, pelo menos pra mim, não significa que eu terei que concordar com simplesmente tudo que ela falar ou fizer. Admirar alguém pra mim não significa que tudo que aquela pessoa fizer estará certo.

Enfim... termino com o comentários sobre esta música no cd:

“Ser cristão é simplesmente ser, sem rótulos nem modismos, sem máscara nem títulos, muito menos negociações com o Céu! É entender que tudo o que somos e não somos, que temos ou não temos, são frutos da Graça e da Misericórdia de Deus e não porque façamos ou deixemos de fazer qualquer coisa para que isso aconteça! A Graça de Deus nos basta e Sua Misericórdia é o que nos sustenta!”

Que Deus continue abençoando-o em tudo! Continue te dando sabedoria em tudo!

Um grande abraço,

Cris

Cris Maria disse...

Só para corrigir (rs):

Que bom que você lê tudo, por que eu escrevo mesmo, e sem dó. Na verdade, eu adoro me expressar através da palavra escrita.

Daniel Moreira disse...

De fato discordamos quanto a posição do João. Mas tudo bem...

Só para constar:
1 - A musica proibido Pensar na minha concepção é perfeita. Ela é necessária nessa medida.
2 - Ele sabia antes e quando fez a música, e essa era sua intenção, de que as palavras com seus trocadilhos era focados nos ministérios.

Estou refletindo:
1 - Ser indireto quando sua mensagem tem um alvo, nesse aspecto de critica, se apresenta como covardia? Honestamente, acho que sim... Eram tão mais fiel se ele assumisse, mas não. Fez questão de dar uma de "João sem braço" dizendo que não tem culpa dos ministérios usarem nomes. Lembrei do Lula.

Quanto a todo resto, concordo. E concordo há muito tempo.

Cris Maria disse...

ok, Daniel! Joguei a toalha!!!
Você venceu!!!
Valeu mesmo pela atenção!
Bjão,
Cris

Daniel Moreira disse...

O Cris não jogue a toalha... rsrs

Nos estamos no mesmo time!

Cris Maria disse...

Joguei a toalha, pois acho que olhei as atitudes focando meu olhar de uma forma boa! E no fim, olhando o motivo de nossa discordância, focando com um olhar mais crítico, começo a pensar que realmente, ele possa ter fugido da raia quando viu que o negócio fedeu! Por isso jogo a toalha!!!
Bjão pra ti!
Cris

Daniel Moreira disse...

Obrigado Cris!